Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

(13) Instantâneos: o carro de lixo do Rei

0001_M carro de lixo.jpg

 

O desenho retrata uma faceta da – deficiente – higiene pública de Lisboa, no século XIX. Antecipada pelo ruído de uma sineta, passa a carroça para onde os moradores iam atirando os seus desperdícios. Há um homem que varre, mulheres que trazem mais lixo…Não falta até um gato que, faminto, se arrisca em busca de alimentos, fugindo de uma sapatada, e um cão que aguarda alguns restos. O curioso nesta imagem não é tanto o que se vê, mas antes a sua autoria. Quem, em 1856, traçou estas linhas foi o D. Fernando II, então já regente de Portugal - enquanto o filho, futuro D. Pedro V, não atingia a maioridade.

Parece estranho que um monarca – mesmo um tão amante das artes como foi D. Fernando, Duque Saxe-Coburgo-Gotha – tenha dedicado o seu tempo a desenhar um quadro tão cru do dia-a-dia plebeu da Capital, mas assim foi.

Mais estranho parece, quando se sabe que aquele que foi rei de Portugal entre 1837 e 1853 tinha um forte sentido de estética e adorava o belo: Em conjunto com a rainha D. Maria II, tornou-se protetor da Academia das Belas Artes de Lisboa; tomou como missão a defesa do património histórico e cultural do País e era um ávido colecionador obras de arte, como se pode ver no Palácio da Pena (Sintra), que transformou no opulento monumento que conhecemos.

Evitava a política sempre que possível e ficou para a história com o “Rei-artista”, embora este seu desenho tenha como legenda “o poder executivo do pelouro da limpeza”.

No fundo, com a sua mão firme, transformou uma atividade tão sórdida como a recolha de lixo nesta peça de arte que hoje admiramos.

 

 

Fontes:

Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Eduardo Alexandre Cunha - PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/ACU/000841

 

http://www.arqnet.pt/dicionario/fernando2.html

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.