Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

(14) Instantâneos: O “Cristo das trincheiras” e a abóbada

 

CT_-_Cópia.jpg

Em 1918, durante muitos dias, um insólito cruzeiro com a imagem de Cristo, existente próximo de Neuve-Chapelle, na Flandres Francesa, fez companhia às tropas portuguesas ali estacionadas. Foi alvo de devoção, serviu de cenário a fotografias, “ouviu” preces e, de certa forma, velou pelos homens que aguardavam mais um confronto. A batalha de La Lys* deu-se a 9 de abril e foi fatal.

cristoTR.jpg

 

Toda a zona foi bombardeada, remexida, destruída pelo fogo inimigo. No fim, pouco mais restavam que cadáveres, homens agonizantes, escombros e…entre tanta devastação, o Cristo, também ele mutilado, como muitos dos que combateram. O fogo alemão perfurou-lhe o peito, levou-lhe as pernas e parte do braço direito, mas deixou-o ali, ainda erguido, como um sinal de sobrevivência.

Há exatamente cem anos, esta batalha da I Grande Guerra, constituiu talvez a mais negra página da história bélica do nosso País, depois de Alcácer Quibir. Os militares do Corpo Expedicionário Português foram arrasados pelas tropas alemãs, milhares morreram, ficaram feridos ou foram aprisionados.

O “Cristo das trincheiras”, terá sido depois recolocado no espaço que lhe pertencia e onde permaneceu mais duas décadas.

Em 1958, por iniciativa do Governo português, rumou a terras lusas e, igualmente a 9 de abril - há exatamente 60 anos - em cerimónia muito ao estilo do Estado Novo, foi instalado no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, à cabeceira do túmulo do Soldado Desconhecido, que representa todos os que pereceram a lutar pela pátria e cujo nome se desconhece.

Ironicamente, aqueles símbolos de derrota e perda estão no interior de um monumento que celebra uma grande vitória nacional e sob uma abóbada que, reza a lenda, também se manteve de pé devido à fé.

sem nome.png

 

A homenagem ao soldado desconhecido, composta por túmulo de dois militares – um morto na I Grande Guerra e outro na Guerra Colonial – o grandioso lampadário denominado “chama da pátria” e o “Cristo das trincheiras”, tem guarda de honra permanente e situa-se na Casa do Capítulo do “Mosteiro da Batalha”, edificado para celebrar o triunfo em Aljubarrota (1385).

Sobre o memorial, ergue-se a colossal abóboda que desafia as leis da física e, conta o historiador Alexandre Herculano*, foi desenhada pelo mestre Afonso Domingues. Quase cego, às portas da morte, mas com uma crença inabalável no seu projeto, permaneceu sozinho por debaixo da abóboda, quando mais ninguém acreditava que esta se manteria intacta após retirarem as escoras. Ainda lá está. O Cristo também.

 

*A batalha deve o nome rio junto ao qual tiveram lugar os acontecimento.

**Embora a moderna historiografia não o confirme, atribuindo a obra ao mestre irlandês David Huguet.

 

 

 

 

Fontes

http://www.momentosdehistoria.com/MH_06_05_Patriotismo.htm

http://www.mosteirobatalha.gov.pt/pt/index.php?s=white&pid=176

http://capeiaarraiana.pt/2015/04/04/efemerides-2015-4-de-abril/

http://portugalglorioso.blogspot.com/2014/03/o-cristo-das-trincheiras.html

https://www.erepublik.com/mk/article/cristo-das-trincheiras-2436880/1/20

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.