Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

(29) Instantâneos: a visita marítima de D. Afonso e suas borboletas

arreda d afonso.JPG

O furioso condutor é D. Afonso, também batizado como o “arreda”, que ficou para a história como o irmão de D. Carlos que adorava automóveis e velocidades estonteantes – para a época, claro. Conhecido ficou também por se fazer rodear de senhoras espampanantes, socialites de reputação mais ou menos duvidosa que as más línguas apelidaram de “borboletas” – as “borboletas de D. Afonso”. Acabaria, aliás, por casar com uma senhora norte-americana que encaixava perfeitamente nesta descrição.
O também Duque do Porto está ao volante de um invulgar veículo – quiçá premonitório dos atuais anfíbios que levam os turistas a passear nas águas e, depois, sobem desajeitadamente para a margem e continuam viagem. Os peixes fogem esbaforidos à sua passagem. Pudera, pode ler-se na legenda: “se no Tejo se pudesse andar de automóvel, aí o íinhamos com as suas borboletas, atropelando os nossos couraçados”.
Efetivamente, D. Afonso adorava conduzir e arreliava-se com as gentes e os carros puxados a cavalos que se atravessavam à sua frente e não tinham velociadade suficiente para se arredarem do seu caminho. Mas a sua pressa tinha outro fim. É que o infante era comandante honorário de uma corporação de bombeiros (da Ajuda), a qual dotou com um moderníssimo carro de combate a incêndios em que o próprio ocupava o lugar do volante. Claro está que, quando havia fogos para apagar, toda a rapidez era pouca e não lhe restava senão gritar exasperadamente “Arreda!!!”, para poder passar.
A caricatura – publicada no semanário O Zé - vem a propósito do boato em circulação no verão de 1912, que dava conta de ter estado D. Afonso em frente a Lisboa, a bordo de um yacht de recreio, o que muito escandalizou os republicanos. O mexerico terá, provavelmente, tido origem no facto de terem passado por águas portuguesas alguns apoiantes da monarquia, em escala para o exílio, depois de terem saído de Espanha, onde se haviam acoitado, mas entre os quais, que eu saiba, nunca se confirmou que estivesse D. Afonso de Bragança.

...........
Fontes
Hemeroteca Digital de Lisboa
http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/
O Zé - Semanario de caricaturas a cores, crítico e humorístico
Nº96, 2º, 218, 5º ano – 10 set. 1912

https://pt.wikipedia.org/wiki/Afonso_de_Bragança,_Duque_do_Porto
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nevada_Stoody_Hayes