Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

(7) Pela imprensa: as deslumbrantes e firmes ligas Alaska

Capturar liga.GIF

 

Se não experimentou, tem de experimentar! Só assim se convencerá da sua indiscutível superioridade.

É a mais pura verdade!

Nem sei muito bem como os homens de hoje conseguem viver sem este prodígio que eram as ligas para meias. Como é que um cavalheiro ousa descrever-se dessa forma e depois aparece com meias enrugadas, descaídas, amarrotadas? Ou, pior, como tem a coragem de se apresentar - como está muito em voga - com os pés desnudos, simplesmente dentro dos sapatos? Como é que os machos modernos aguentam a vergonha de tal situação?

Pois é, estas e outras perguntas ficarão, muito provavelmente, sem resposta, porque calculo que as ligas para meias masculinas serão objeto com muito pouca procura nos vorazes tempos que hoje correm, mesmo com tantos metrossexuais por aí, investindo muito tempo na produção diária da sua pessoa.

Depois, convenhamos, ainda que fazendo a ressalva que gostos não se discutem, as ligas para homem não terão o mesmo picante das rendadas meias de liga para mulher. É que essas, com prisão “dobrada”, como apregoam as ligas Alaska neste anúncio, ou apenas prisão singela, seguram as meias na zona da coxa e não pelo joelho, zona provavelmente menos apelativa e dada a fantasias.

Enfim, eram outros tempos.

Corria o ano de 1918. A guerra estava a mesmo, mesmo, a acabar; o presidente Sidónio Pais seria assassinado dois meses depois, no Rossio…e, a relativa pouca distância, a Faut & Palet Ldª continuava, impassível, o seu negócio.

Ocupava o 2º andar dtº o nº 101 da rua Áurea, vendendo por atacado muitos produtos, de entre os quais se destacava a famosa liga Alaska – “a mais cómoda e a mais prática conhecida até hoje” – mas também outro portento caído em desuso: o pó de talco Dolly que, só por si, dava para outro “Pela Imprensa”.

 

podolly.JPG...........

 

Fontes

Hemeroteca Digital de Lisboa

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/

Illustração Portuguesa

II série, nº 662 – 23 out 1918

II série, nº 748 – 21 jun 1920

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/1918

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.