Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

A misteriosa ilha dos Cães

 

ilha dos caes 1710.GIF

 

Era uma vez uma ilha com extensos areais banhados por águas transparentes. Foi poiso de pestilentos, contrabandistas, pescadores e…peludos de quatro patas. Talvez por isso, desde tempos imemoriais, esta nesga de território entre o oceano e terra firme aparecesse nos mapas como ilha dos Cães. É ali, no cabo de Santa Maria, que termina Portugal.

 

Hoje é difícil afirmar com total certeza qual a localização exata deste lugar. É, certamente, uma das ilhas barreira que protegem, a sul, a costa algarvia e os baixios da Ria Formosa, mas qual delas?

carta sec xvi ilha dos caes.GIF

Quem conhece a zona, sabe que a calma ali é aparente. Aqueles volumosos bancos de areia modificam-se ao sabor das marés e dos ventos, moldam-se, transformam-se continuamente. As barras que separam as ilhas (à exceção da de Armona) deslocam-se lentamente de oeste para este, assoreando.

ilha dos caes 1700.GIF

É esta dinâmica a explicação para que as peças de defesa do litoral existentes, fortins e outras estruturas, tenham desaparecido, arrasadas pela inconstância dos solos e a inclemência do mar, ali enganadoramente pacífico.

Como se não bastasse, a onda gigante que sucedeu ao terramoto de 1755 causou grande devastação em todas as ilhas, mudando a sua face para sempre.

cabo de santa maria 1730.GIF

reino de portugal 1658.GIF

E, já no século XX, com a abertura da denominada Barra Nova, facilitando o tráfego marítimo nos portos de Faro e Olhão, a outrora ilha do cabo de Santa Maria, o ponto mais a sul do nosso território continental, seria dividida em duas: Barreta (ou Deserta) e Culatra.

A primeira referência à presença humana na ilha dos Cães, também conhecida como ilha dos Leprosos, data de 1522.

Foi paragem obrigatória de quarentena para um grupo de viajantes vindos de Arzila, em Marrocos. Suspeitava-se que trouxessem consigo peste bubónica e, assim, evitava-se que a maleita entrasse em solo nacional povoado.  

barra e canais de olhao.GIF

As condições de vida eram manifestamente inóspitas, tanto pelas forças da natureza, como pelas incursões de piratas que, amiúde, assolavam aquelas terras apartadas das leis gerais.

Mas, em meados do século XIX já existiam cabanas e armações de pesca, porque todos os braços eram poucos para alimentar a florescente indústria conserveira da região.

Paulatinamente, os homens, provenientes de Tavira, Faro e Olhão, foram criando condições de permanência para além da época da faina, levando depois as suas famílias.

Foi assim que nasceram os núcleos habitacionais hoje existentes, sendo o de Culatra o mais expressivo.

Mas, como se explica a alusão aos mamíferos de quatro patas no batismo destas terras?

cao de agua em embarcacao de pesca.webp

Talvez a resposta esteja nos outrora amigos inseparáveis dos pescadores algarvios e, em particular, dos olhanenses, “considerados os melhores de todo o reino e mui destros na pescaria de alto mar”.

Na pesca, o cão de água era companheiro de todas as horas, dividindo a labuta, ajudando a encaminhar os cardumes para as redes e na recolha destas. Um animal em cada bordo, ficava de vigia, saltando em busca do peixe escorregadio. Mergulhavam velozmente e traziam-no intacto na boca, sendo pagos por tal serviço.

Mareantes experientes e destemidos, os olhanenses também arriscavam muito no transporte para Gibraltar e vários pontos do mediterrâneo, bem como no inevitável contrabando. Os cães de água acompanhavam-nos, mostrando-se muito úteis levando mensagens entre embarcações ou destas para terra, assim como guardando os aprestos e outros pertences.

cao de agua corte leao.webp

Eram - e são – animais especiais, exímios nadadores, extremamente inteligentes, resistentes à fadiga e reconhecidos pela longa, frisada e lustrosa pelagem.

Todas estas qualidades não escaparam também ao rei D. Carlos, que possuía dois exemplares a bordo do iate Amélia, contando com a sua ajuda nas campanhas oceanográficas.

Quem não sabe, pensa estar perante uma estranha espécie de leão, pois o corte mais comum no cão de água português deixa-o com o focinho e a parte posterior do tronco tosquiados, uma juba frondosa da cabeça e uma bola de pelo na ponta da cauda.

Estas características, diga-se, tornam-no fácil de identificar, mesmo em imagens onde não era suposto estar, mas sempre no seu elemento natural, a água. Aqui, no célebre quadro Chafariz d'El Rey, do século XVI, e numa gravura representando a chegada a Lisboa de D. Miguel, em 1828.

chafariz del rey.webp

Seriam estes os cães que deram nome à ilha que a maior parte das fontes aponta como sendo a antiga ilha de Santa Maria, embora outras defendam tratar-se de Armona?

Lisboa Desembarque do Augustissimo Senhor D. Migue

Fica aqui a interrogação, já que, a partir do século XIX, as cartas parecem ter esquecido para sempre a misteriosa ilha dos Cães.

reino do algarve bib nacional.GIF

Quanto ao cão de água português, que chegou a ser a raça mais rara do mundo (anos 70 e 80 do século XX), parece hoje recuperar o merecido prestígio de outros tempos.

 

À margem

São cinco as ilhas barreira – Barreta, Culatra, Armona, Tavira e Cabanas – e duas penínsulas – Ancão (praia de Faro) e Cacela.

Na outrora ilha do Cabo de Santa Maria situa-se o farol com o mesmo nome e os aglomerados de Culatra e Hangares. As restantes ilhas têm uma ocupação predominantemente turística e sazonal.

Estas denominações e a configuração do território, no entanto, foram evoluindo ao longo dos tempos, consoante a ocupação e a vontade dos homens.

Os mapas antigos apresentas topónimos totalmente caídos em desuso. Mas, nas cartas modernas, ressalta um batismo menos comum: Hangares.

Este núcleo da ilha da Culatra deve o seu nome à instalação, em 1918, de um centro de aviação naval, que se destinava a ser utilizado por hidroaviões franceses, para patrulha da costa e combate aos submarinos inimigos.

Pouco serviu, visto que o conflito terminaria esse mesmo ano. O local foi depois usado como centro de treinos para tiro e explosivos e, mais tarde, pela Guarda Fiscal. Não obstante esta utilização militar, foi crescendo um aglomerado populacional, cujo pioneiro, dizem os mais antigos, foi Ti Zé Lobisomem.

Mas isso é outra história…

………………….

Nota: Esta ilha dos Cães nada terá que ver com a Ilha dos Cães de que fala o filme luso angolano realizado por Jorge António e produzido por Ana Costa, que se estreou em 2017 e foi um dos últimos trabalhos do conhecido ator Nicolau Breyner.

……………………..

Fontes

José de Sande Vasconcelos, Mapa da Configuração de Todas as Praças, Fortalezas e Baterias do Reino do Algarve, c. 1790. Disponível em:

imprompto.blogspot.com/2008/11/fortalezas-e-baterias-do-algarve-em.htm

 

Academia de Marinha - Memórias 2008, Volume XXXVIII, coordenação: João Abel da Fonseca e Luís Couto Soares Data. Lisboa, Academia de Marinha, 2013,

Os Pescadores, Raul Brandão, 1923.

“Nós somos Ilhéus, juntos somos mais fortes”: Fluxos da construção de identidade e comunidade na Ilha da Culatra – Faro, Tese de doutoramento em Antropologia de Mariela Felisbino da Silveira, , ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, 2021.

 

Algarve (Portugal) Description Géographique et Géologuiquede Cette Province, par Charles Bonnet, Academie Royale des Sciences de Liebonne, 1850. Disponível em:

Algarve Portugal: Description géographique et geólogique de cette province - Charles Bonnet - Google Livros

Matriz PCI (dgpc.pt)

pjr152-XIII-1ª-1.pdf (sapo.pt)

Topónimos do Mapa Corográfico do Reino do Algarve PDF - ELIBRARY.TIPS

Paulo Perestrello da Câmara, Diccionario Geographico, Historico, Político e Litterario do reino de Portugal e seus Domínios, Tomo Primeiro, Rio de Janeiro, Publicado por Eduardo e Henrique Laemert, 1850. Disponível aqui:

Diccionario geográphico histórico polı́tico e litterário do reino de Portugal ... - Paulo Perestrello da Camara - Google Livros

 

Hangares, hidroaviões e pães de leite ou as memórias do Centro de Aviação Marítima do Algarve (sulinformacao.pt)

Hangares, terra de ninguém (expresso.pt)

Efeméride | Criação da Aviação Naval (marinha.pt)

Aviação Naval (momentosdehistoria.com)

Marinha de Guerra Portuguesa: A Conquista de Arzila-1471

João Coutinho, 2° Conde de Redondo (c.1480 - c.1548) - Genealogy (geni.com)

Cão de Água Português – Clube Português de Canicultura (cpc.pt)

Cão de água português – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Ilhas barreira da Ria Formosa - Tavira - Natural.pt

 

Texto de Susana Jacobetty

História do Cão de Água Português - A MAGAZINE (amagazinept.org)

 

Imagens

Universidade de Coimbra

Biblioteca Geral Digital (uc.pt)

 

Regnorum Hispaniae et Portugalliae: tabula generalis jam nuper edita nunc denuo revisa, autra e ad Usum Scholarumm, Ioh. Bapt Hommano, 1710 (pormenor).

http://hdl.handle.net/10316.2/43189

 

Regnum Castellae Novae, Andalusiae, Granadae, et Algarbiae, nec non Maxime partis Portugalliae et Extremadurae, ex Officina Justi Danckerts, 1680.

http://hdl.handle.net/10316.2/43178

 

Reyno do Algarve, Granpré, 1730.

http://hdl.handle.net/10316.2/43482

 

Biblioteca Nacional de Portugal (em linha)

www-purl.pt

Reino do Algarve, Sculp. Laurent, ca 1760 (?)

https://purl.pt/1384

 

História do Cão de Água Português - A MAGAZINE (amagazinept.org)

   Reino do Algarve Desembarque do Augustissimo Senhor D. Miguel no Caes de Belém… , António Patrício Pinto Rodrigues (edit.)

   Chafariz del Rey

  Cadela d’àgua – erguida soabre a amurada, guarda o barco, atracado ao cais, qual sentinela vigilante…., Revista de Medicina Veterinária do Algarve, 1936

   O Leão, o Cão de Água Português que viria a ser o modelo para o estalão da raça, descoberto por Vasco Bensaúde no Algarve em 1936.

 

11 comentários

Comentar post