Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

A terra voltou a tremer em novembro

setubal 1860.GIF

 

 

Em Setúbal, bairros inteiros foram arrasados, mas Lisboa também não escapou ilesa. Cento e três anos após o grande terramoto, os abalos sentiram-se em todo o País.


Pouco passava das sete horas da manhã do dia 11 do já antes funesto mês de novembro. A terra voltou a tremer 103 anos após o terrível sismo que devastou Lisboa e várias localidades do sul do País. Em Setúbal, a 30 quilómetros do epicentro, os efeitos dos abalos de 1858 foram ainda piores, estimando-se que tenham atingido uma magnitude de 7.1, com destruição completa de algumas áreas da cidade, mas Lisboa também não passou incólume. Morreram pelo menos oito pessoas.

setubal 4.jpg

 

Apesar dos ligeiros estremeções sentidos no dia anterior e durante a noite, ninguém queria acreditar que a catástrofe fosse repetível, pela manhã, como o grande terramoto de que todos haviam ouvido falar.


Poucos segundos bastaram. Em Setúbal, o bairro do Troino ficou praticamente arruinado, com derrocadas em praticamente todas as ruas, transformando-se numa cena «mortuária e ensanguentada». No largo da Fonte Nova, muitos edifícios ficaram danificados, havendo relato do mesmo na praça do Sapal, hoje batizada em homenagem ao poeta Bocage, onde a imponente igreja de São Julião (na imagem) sentiu os efeitos do abanão, com fendas nas paredes e ornatos caídos da fachada.
Toda a zona baixa foi afetada e, como é habitual, as moradas modestas foram as mais penalizadas, pois eram, de origem, menos firmes. Danos igualmente assinalados em alguns edifícios de maior porte, na muralha da cidade e no monumental Convento de Jesus, mais danificado do que em 1755.
Lisboa também acordou da pior maneira. A atmosfera era opressiva, as pessoas corriam desesperadas, descompostas, desprevenidas e, nas ruínas do Carmo, sobreviventes do grande terremoto, o lugrume e acelerado toque do sino do relógio acrescentava um som de agonia a tudo o que se passava em redor. As zonas do Rossio e Alfama foram as que sofreram mais estragos, mas felizmente não comparáveis aos infligidos pouco mais de um século antes: construções de menor relevância com fendas, derrocada de paredes, chaminés e elementos decorativos. Afetados ainda edifícios aparentemente sólidos, nomeadamente um dos reconstruídos torreões do Terreiro do Paço, a Basílica da Estrela, igrejas de São Roque e São João da Praça; o convento da Graça e a Sé, onde a torre sul e um dos arcos do claustro ficaram em risco de cair.

setubal avenida da praia atual luia todi.PNG

 

Em Setúbal, não tardaram tentativas de pilhagens e muitos que, tendo as suas casas arruinadas, montaram arraiais na praia, abrigando-se em barracas erguidas ali mesmo, fugindo ao vento forte e cortante e à copiosa chuva que caiu durante toda a infausta jornada. Por todo o lado se viam pessoas meio perdidas, feridas, aturdidas e sem saber o que fazer.


Nos dias seguintes, o mau tempo não amainou, mas foi criada uma comissão de socorros para acudir aos mais necessitados e também se fizeram subscrições em todo o país para ajudar os desvalidos do sismo. Deram-se numerosas esmolas, criou-se uma «sopa económica» para os que não tinham o que comer.

Ao todo, durante dois anos, foram reerguidas 181 casas, nomeadamente fazendo uso de materiais provenientes do antigo convento de Palmela. Em todas se colocou um azulejo com o seguinte dizer: «Beneficência 11 de novembro de 1858»setubal pessoas e vendedor de peixe junto a conser

 

 

De resto, o sismo foi sentido em todo o território de Portugal continental, mas com efeitos mais relevantes em Estremoz, Santarem, Seixal, Barreiro, Cartaxo, Montemor-o Novo, Sesimbra, Évora e até na Batalha, onde o grande mosteiro abanou e sofreu estragos, mas sobreviveu a mais este confronto com a natueza.

 

 

À margem

O dia 11 de novembro seria, 60 anos após este sismo, o escolhido para a assinatura do armistício que marcou o fim da I Grande Guerra. Embora tal tenha decretado o fim dos combates na frente ocidental, foram necessários quase dois anos até que o conflito terminasse oficialmente, com o tratado de Versailles, firmado em janeiro de 1920.

armisticio.jpg

 

Na imagem, os principais intervenientes no acordon inicial, nomeadamente o marechal francês Ferdinand Foch e os almirantes ingleses Hope e Rosslyn Wemyss, representando os "Aliados"; Matthias Erzberger, pelo lado alemão.


Tudo aconteceu na denominada «carruagem do armistício», que seria palco também de outro acontecimento bem menos auspicioso: a negociação da rendição da França e das condiçóes da sua capitulação, a 22 de junho de 1940, já durante a II Grande Guerra.

Hitler fez questão de usar o mesmo vagão e, para que a vingança fosse perfeita, até derrubou as paredes do Museu onde a carruagem estava instalada, de forma a que a mesma pudesse ser transportada para o local exato, Compiègne.

Mas isso é outra história...

.....................

As imagens presentes são meramente ilustrativas da zona afetada e da época aproximada do sismo relatado.

.....................

Fontes
Arquivo Distrital de Setúbal
Fundo Arquivo Pessoal de Almeida Carvalho
https://digitarq.adstb.arquivos.pt
Dos tremores de terra e em especial dos que se têm sentido em Lisboa; Imprensa União-Typográphica; Lisboa – 1858


run.unl.pt › bitstream › Vicencio_2017


https://digitalis-dsp.uc.pt/html/10316.2/27367/UCSIB-10-1-8-2-1935-V21_PDF/UCSIB-10-1-8-2-1935-V21_PDF_24-C-R0120/UCSIB-10-1-8-2-1935-V21_0000_Obra_Completa_t24-C-R0120.pdf?ln=pt-pt

 

https://pt.earthquake-report.com/2011/02/07/killer-earthquakes-in-portugal-mainland/


Imagens

https://pt.wikipedia.org/wiki/Set%C3%BAbal#/media/Ficheiro:Setubal_1860.jpg
https://pt.wikipedia.org/wiki/Armistício_de_Compiègne#/media/Ficheiro:Armisticetrain.jpg


Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Artur Bensabat Benarus
PT/AMLSB/ABB/000613
PT/AMLSB/ABB/000615
PT/AMLSB/ABB/000621

Carlos Alberto Lima
PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/ACU/000910

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post