Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

A tragicomédia do soldado João Ninguém na I Grande Guerra

joao ninguem2.GIF

 

 

E, se no meio do sofrimento, o espírito humano, no que este tem de melhor, conseguisse rir da desgraça, fazer piada com o medo, zombar dos problemas, gozar com as suas próprias falhas, fragilidades e tristezas? Esta é a guerra tragicómica de João Ninguém, contada em palavras e desenhos por quem a viveu, nos longínquos anos de 1917 e 1918, “num terreno retalhado pelos canais do Lys”.

 

joao ninguemcapa recorte.GIF

 

A participação portuguesa na I Grande Guerra não deixou boas memórias a quem quer que fosse. Foi um drama, do ponto de vista humano, social e económico, que também não logrou alcançar os objetivos políticos e geoestratégicos que dariam razão ao envolvimento do País no conflito. Os militares, que lutaram em África e na Europa, foram sujeitos a esgotamento físico e moral, fome, frio e riscos derivados de preparação insuficiente e equipamento desadequado. Mas, e se no meio de tanto sofrimento, o espírito humano, no que este tem de melhor, conseguisse rir da desgraça, fazer piada com o medo, zombar dos problemas, gozar com as suas próprias falhas, fragilidades e tristezas? Foi isso mesmo que fez o Capitão Menezes Ferreira, membro do Corpo Expedicionário Português nos longínquos territórios de Aire Sur La Lys, terra que cedo foi rebatizada “Lys-bonne”, tantos eram os lusitanos ali instalados.

“João Ninguém – Soldado da Grande Guerra” é uma tragicomédia escrita e desenhada por um homem, sobre si e os seus pares, submetidos a situações limite e, ainda assim, encontrando nisso um ânimo difícil de quebrar.

Conta a história dos “simpáticos soldadinhos”, “trigueiraços que, das oito províncias de Portugal, acorreram de mochila às costas sem faltar ao embarque para honra dos seus batalhões”.

Entre estes, encontrava-se o João Ninguém, como os outros, representante da “arraia miúda da sociedade internacional”, que “depois de ter suportado as soalheiras de ‘Paulona’* de Tancos, besuntado ligeiramente de um treino guerreiro muito rudimentar, lá foi chamado enfim para o embarque naquele áspero inverno de 1917”, com o fim de ir combater os “boches”.

viagem.JPG

 

ganso.JPG

Fala das peripécias dos “quatro longos dias no mar” e da viagem de comboio, afogando as “mágoas na aguardente da ração, já meio conformados e embrulhados no fatalismo que lhes” vinha da sua raça”.

Descreve animadamente as funções dos diversos soldados – as picardias entre “palmípedes” e “cachapins”, entre soldados e oficiais; a camaradagem, os ensaios e manobras onde se mostrou “meio Zagalo**, meio fadista” e o relacionamento com os outros contingentes no terreno.

 

Tudo de forma inusitadamente divertida.

joao ninguem4.GIF

 

E o tom prossegue até nas “trinchas”, mesmo com “as miseras condições” dessa “sua vida de toupeira”, “dentro dos abrigos, em volta de latas vazias – braseiros improvisados”, aguardando ansiosamente a hora de matar ou morrer.

joao ninguem3.GIF

 

Só no fim, o timbre resvala para alguma amargura, face à “sanha da destruição”, ao “constante e deletério bafo da morte, que endureceu o coração dos combatentes”, em resultado, talvez, dos “meses terríveis para o pequeno exército português”, que foram janeiro, fevereiro e março de 1918, nos “batalhões dizimados pelos ataques de gases, extenuados por um serviço mortificante”, “transidos de frio, mal aquecidos pelo rum e dobrados menos pelo peso dos equipamentos do que pelo das suas incríveis trouxas de malteses”.

joao ninguem8.GIF

 

Por último, conta essa “pavorosa batalha do Lys”, em que “infantes e metralhadores de armas na mão, numa perfeita noção do sacrifício extremo, deixaram-se matar até ao último cartucho”.

 

João Ninguém ficou lá. Menezes Ferreira teve a sorte de regressar, para dar à estampa esta extraordinária narrativa do primeiro conflito bélico global.

 

Vale a pena ver a obra completa, à qual não consigo fazer jus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Fardados da cor da bruma

Soldados da nossa terra,

Cruzes de pau, cada uma

Representa a Cruz de Guerra”

 

joao ninguem11.GIF

 

“A Portugal minha mãe

Deu seu filho pr’a soldado:

Quem dá aquilo que tem

A mais não é obrigado”

 

À margem

catrapiscando.JPG

 Os soldados portugueses interagiram com facilidade com as populações francesas e, no pouco tempo que tiveram antes de serem enviados para a frente de batalha, rapidamente fizeram justiça à sua fama de namoradeiros. Ajudavam os camponeses e estes, em troca, convidavam-nos para os seus lares. Isso dava-lhes à vontade para tentar catrapiscar as moças da terra, missão na qual competiam com os “bifes”, “escanhoados e fleumáticos”, para mais tendo do seu lado “o prestigio das libras”, sempre competidor nos negócios do coração.  O mote dos portugueses era sempre o mesmo, num arranhado francês: “’Mademóselle’ vous fiancé moi aprés la guerre finie?”.  E assim, o João Ninguém embalado pela “sua boa conduta e pelas afinidades da sua linguagem com o emaranhado ‘patois’ “ daquelas regiões, conseguiu insinuar-se no coração das ‘mademóselles’. “Amorudo e volúvel, namoriscando todas essas meninas das ‘férmes’ que se deixaram seduzir pelos seus olhos negros, não admira, pois, que, mais tarde, algum ‘petit portugais’ – leia-se um bebé luso-português – tenha sido o gentil ‘souvenir’ da sua passagem por França”.

Mas isso é outra história…

 ..............

*Paulona: “cidade” construída de pau e lona, vulgo tendas, que os soldados montaram em Tancos durante o treino que ali efetuaram.

*Penso ser uma alusão a Bernardo António Zagalo, marechal de campo graduado e muito condecorado, que viveu entre 1780 e 1841.

 .............

Já tinha falado da passagem dos portugueses pela I Grande Guerra e do Cristo das trincheiras. Pode ler aqui.

 

Fontes

Hemeroteca Digital de Lisboa

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/

João Ninguém – Soldado da Grande Guerra, Impressões do CEP 1917-1918, texto e desenhos do Capitão Menezes Ferreira; Serviços Gráficos do Exército 1921.

 

http://www.arqnet.pt/dicionario/zagaloba.html

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.