Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Febre-amarela em Lisboa e quarentenas na Margem Sul

em quarentena.JPG

 

Desinfetados, explorados pela criadagem, guardados por militares, mortos de tédio e isolados o tempo que fosse preciso para afastar perigo de contágio. Assim era a quarentena dos que chegavam a Lisboa em navios suspeitos de trazerem maleitas exóticas passíveis de se disseminarem pela nossa população

lazareto de lisboa 1.JPG

 

Portugal foi, ao longo da história, vítima de numerosas e trágicas epidemias vindas de terras mais ou menos distantes. Como a principal “porta” de entrada de pessoas e mercadorias em Portugal era o Tejo, o centro para desinfeção e quarentena foi construído perto da Capital, mas a suficiente distância para a proteger de contágios. A escolha recaiu sobre a Margem Sul e o medo da febre-amarela fez com que as instalações crescessem e se modernizassem, embora todos os que ali foram obrigados a permanecer se queixassem das acomodações, do isolamento e até da exploração a que eram sujeitos pela chusma que vivia dos pagamentos e esmolas dos viajantes “presos” no Lazareto de Lisboa. Rafael Bordallo Pinheiro, chegou a escrever um livro humorístico sobre a sua experiência em tal hospedagem.

lazareto de lisboa visto do tejo.JPG

Até ao século XVIII, o controlo da entrada de doenças era feito na Trafaria, tendo depois passado para a Torre Velha (São Sebastião de Caparica) e desta para a zona de Porto Brandão. Durante muito tempo, no entanto, as pessoas suspeitas de portarem maleitas faziam as suas quarentenas aguardando em pontões sem condições, amontoadas em instalações imundas e exíguas para tanto movimento marítimo.

armazens.JPG

 

Um surto de febre-amarela, ocorrido em Lisboa, ia o século XIX a meio, empurrou o poder político para obras de beneficiação no lazareto, tal foi o alarde social provocado pela horrível doença hemorrágica, também conhecida como “vómito negro” (ver À Margem). Durante os 50 anos que se seguiram, foram várias as intervenções destinadas a melhorar as condições de atracação de navios, capacidade de acolhimento, isolamento, tratamento e desinfeção.

sala de desinfeção de bagagens.JPG

 

Assim que as embarcações suspeitas de trazerem moléstias contagiosas atracavam, os passageiros eram forçados a dirigir-se à zona da alfândega.

estufa.JPG

 

Nos armazéns ali existentes, as suas roupas e todos os pertences tinham que passar pela “beneficiação”, assim se chamava a desinfeção a que eram sujeitos, “pelo ar, por meio de ventoinhas mecânicas; pelo calor nas estufas Geneste & Herscher, ou pela ação do ácido sulfuroso”, que mataria as “bactérias inimigas”. A bagagem, por vezes de 300 a 400 pessoas a cada vez, seguia o mesmo tratamento.

edifícios das quanrentenas.JPG

 

As acomodações - distintas consoante a classe em que se viajava – e a cozinha, com capacidade para servir mil refeições em simultâneo, ficavam num patamar superior, sobranceiro ao rio. Cada “quarentena” era um espaço independente, para evitar contactos com o exterior. Circundava-as um caminho de ronda, para que os ocupantes pudessem ser vigiados e facilmente apanhados, caso tentassem fugir deste repouso compulsivo. Para esse fim, existia um destacamento militar ali instalado.

challet da vacina.JPG

Havia capela, hospital com enfermaria de isolamento para casos suspeitos e “barracas de madeira e argamassa” para os serviçais, carvoeiros e estivadores dos navios sob suspeita também pudessem fazer a sua quarentena, mas sem se misturarem com os passageiros. Havia ainda um cemitério destinado exclusivamente aos que, ali entrando doentes, não resistissem ao mal.

homem de vasconcelos.JPG

 

No início do século XX, o Lazareto de Lisboa era o nosso bastião contra as invasões epidémicas, mas continuava a ser visto como uma espécie de hotel-prisão para os viajantes, que receavam os incómodos e atrasos, para além de se queixarem do seu dinheiro ser extorquido pelos criados, os carregadores, os catraieiros, que transportavam a Lisboa quem já tinha ordem de soltura, o capelão e até a própria instituição, onde tudo se pagava.

Aproveitando o facto de nenhum privado ter concorrido à exploração do Lazareto, nomeadamente do serviço de refeições, António Homem de Vasconcelos, que ali foi inspetor durante várias décadas, impôs um regime autónomo que chegou a dar muito e bom lucro ao Estado, cobrando valores classificados como exorbitantes aos que ali eram obrigados a estar.

Do que ninguém se queixava e constituía, aliás, o único bálsamo para as pobres almas ali detidas, era da extraordinária paisagem que se abria perante os seus olhos. De Cascais ao Mar da Palha, um rio vasto e cristalino sob um céu tão azul quanto inatingível.

E em frente, Lisboa. Bela, imponente, plena de movimento e vida. O destino que todos desejavam alcançar, ali tão perto e impossível de obter antes de uma espera que parecia interminável, mas que era preciso aceitar, para o bem de todos.

 

 

À margem

doente.JPG

A epidemia de febre-amarela, que grassou em Lisboa, em 1857 – seguindo dois pequenos surtos no ano anterior, no Porto e também na Capital – matou mais de 5.500 mil pessoas, num total de 15 mil doentes, entre julho e dezembro. Os primeiros a tombar foram os trabalhadores da Alfândega, o que reforçou a ideia de a doença ter uma origem externa, provavelmente no continente americano. Os bairros mais afetados foram os populosos aglomerados da zona ribeirinha – Anjos, São José, Coração de Jesus, Sé e Santa Catarina. Como é compreensível, o terror foi geral. As autoridades encerraram as escolas, limitaram os espetáculos e outros divertimentos, restringindo igualmente os contactos dos quarteis, asilos e prisões com o exterior, o mesmo para as instalações de assistência da Santa Casa da Misericórdia e da Casa Pia de Lisboa. Mas, sinal dos tempos, multiplicaram-se as missas, procissões e preces coletivas. O rei, à época D. Pedro V, fez questão de estar em todos os locais onde a doença apareceu, disponibilizando verbas próprias para ajudar os mais desprotegidos. Jovem e belo, apareceu ao povo como um anjo salvador. Não admira o desespero, a revolta e a profunda consternação que a sua inesperada morte, com febre tifoide, provocou em todo o reino.

Mas isso é outra história…

………………

Fontes

Hemeroteca Digital de Lisboa

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/

Branco e Negro

2º ano; Nº 60 – 23 mai. 1897

Texto de António Frazão

 

Brasil-Portugal

Nº23 – 1 jan. 1900

Illustração Portugueza

Nº172 – 7 jun. 1909

 

Biblioteca Nacional de Portugal

www.purl.pt

No Lazareto de Lisboa, de Rafael Bordallo Pinheiro; Empreza Literária Luso Brazileira – Editora ; Lisboa - 1881

http://www2.insa.pt/sites/INSA/Portugues/Biblioteca/BiblioDigit/Paginas/BancodeimagensdosArquivosINSA.aspx

 

0 imaginário social das epidemias em Portugal no seculo XIX, de Júlio Joaquim da Costa Rodrigues da Silva Professor Associado da F.C.H.S. da Universidade Lusíada de Lisboa; Lusíada. História. Lisboa. II Serie, n. 0 1 (2004). Disponível em revistas.lis.ulusiada.pt › 

 

Turismo de cruzeiros em Lisboa: uma abordagem antropológica; Dissertação submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Antropologia Urbana de Alexandra Duarte Baixinho; 2008. Disponível em https://repositorio.iscte-iul.pt

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.