Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Heróis do acaso (4): o pescador sem medo

antonio dos santos da benta1.JPG

 

 

 

António dos Santos da Benta, homem do mar. Pobre, miserável mesmo. Viúvo com quatro pequenas mas famintas bocas para alimentar, sem iniciativa ou possibilidade de procurar novas paragens onde o trabalho árduo e a grande coragem que muitas vezes demonstrou proporcionassem mais do que a difícil sobrevivência da família. O pescador saiu fugazmente deste anonimato vivido por tantos da sua condição, porque se fez às águas para salvar 35 vidas, quando outros se quedaram na areia, aceitando a fatalidade de ver afundar mais um barco carregado de pescadores, já chorados pelos que à tragédia antecipada assistiam.

Foi no dia 18 de setembro de 1876, na Costa Nova do Prado, a duas léguas de Aveiro, cidade onde António tinha nascido 37 anos antes e sempre havia vivido. À vista da praia, sem leme operacional, a embarcação ficou à mercê da ondulação que arremessava, alagava e desesperava quem ali se via impotente.
Em terra, António da Benta pega na ponta de uma corda e, intrepidamente, enfrenta as vagas, arrisca a vida e não hesita em mergulhar para prender o gancho do cabo que levava à argola submersa na proa do barco em apuros, o que permitiu depois puxá-lo em segurança até à margem, por entre uma incrível borrasca e um clamor de gritos aflitos que o mar não calava.

Esta ação heroica mereceu uma medalha de ouro, como distinção pelo mérito, filantropia e generosidade, atribuída pelo rei D. Luís I a António da Benta que, na mesma época, recebeu diploma de sócio benemérito da Associação de Instrução Popular de Coimbra e uma recompensa de 25$000 reis, entregue pelo filantropo Simeão Pinto de Mesquita.

António da Benta de nada estava à espera, chegou a confessá-lo a um companheiro de faina, até porque não era novato em ações heroicas. Simplesmente estava-lhe no sangue não ficar de braços cruzados quando os seus atos podiam fazer a diferença, já chegava quando nada podia fazer, como quando perdeu a mulher e um dos filhos – o único menino – mercê da tuberculose que os minou.

Antes de ter salvo as 35 vidas na Costa Nova do Prado, já ele havia demonstrado temeridade e conhecimento suficientes para conduzir fora da barra de Aveiro um navio em condições extremamente difíceis. Menos de dois meses após a proeza relatada, salvou mais cinco tripulantes do Rosina, conseguindo levar-lhe um cabo vaivém que resgatou aquela embarcação em risco.

António da Benta vivia com grandes dificuldades, sem ajuda para criar a prole numerosa; entre os verões numa companhia de pesca de mar de 200 homens e os invernos pescando no rio.

Não sabemos se estes salvamentos e o consequente interesse público modificaram a vida deste homem e das suas filhas. Se a tornaram mais fácil e leve, menos sofrida, com mais futuro...porque nunca mais se ouviu falar de António dos Santos da Benta.

 

Fontes
Biblioteca Nacional Digital
www.purl.pt
Diário Illustrado
Ano 5º; nº1343 – 21 set. 1876

Ano 5º; nº1356 – 06 out. 1876

Ano 5º; nº1378 – 01 nov. 1876

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.