Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Heróis do acaso (6): a enfermeira mártir

edith cravell.JPG

 


Edith Cavell, enfermeira. Quem decide dedicar a vida aos outros, deixa de ter escolha. Edith não teve escolha nem hesitações: quando o primeiro soldado lhe pediu ajuda, ela tudo fez para tratar as mazelas de guerra que apresentava, alimentá-lo e pô-lo a salvo. O mesmo para todos os outros que lhe seguiram, fossem alemães ou aliados. Ao todo terá salvo mais de 200 pessoas.
Eram homens que precisavam de auxílio e só isso importava para a enfermeira inglesa.
Até ali tinha vivido de forma discreta mas significativa, como governanta e, depois de encontrar a verdadeira vocação, como enfermeira. Apesar da discrição, a sua abnegação e coragem, bem como o seu profissionalismo, já tinham dado nas vistas, porque foi condecorada por tratar de doentes com febre tifoide e convidada a dirigir uma escola de enfermeiras em Bruxelas, onde foi fundamental para profissionalizar a sua profissão naquele País.
Quando rebentou a I Grande Guerra, viu-se no meio do conflito e, como sempre fora seu timbre, facilmente encontrou forma de ser útil e ajudar quem precisava.

As suas atividades não tardaram a ser detetadas e vigiadas pelos alemães, que dominavam o território belga.
Não desistiu de fazer o que considerava ser o certo e acabaria por ser presa.

Encarcerada durante nove longas semanas, foi julgada em tribunal marcial, em paralelo com mais cerca de três dezenas de pessoas acusadas de ações idênticas, todas condenadas à morte. Só ela e o arquiteto Philippe Baucq foram executados, pelo crime de colaborar com forças inimigas.


O fim chegou no dia 12 de outubro de 1915, perante um pelotão de fuzilamento. Faltava-lhe pouco mais de um mês para completar 50 anos.
E, ao contrário do habitual nestes heróis do acaso, muito ainda se falou de Edith Cavell, usada como "bandeira" dos aliados e espelho da barbárie alemã.

....................

Fontes

Hemeroteca Digital de Lisboa
http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/
Mundo Gráfico
ano IV; nº 94 – 30 ago. 1944

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Edith_Cavell

https://fr.wikipedia.org/wiki/Philippe_Baucq

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.