Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (22): As operárias da Fábrica Confiança

 

 

 

enxovais.JPG

 

 

 

oficina de costura.JPG

 

 

 

As mais prendadas usavam avental branco sobre saia xadrez ou de cor escura, sem alarde, em tela barata e tosca, contrastante em tudo com a pureza, a suavidade e o requinte de acabamentos dos tecidos de que se ocupavam diariamente.

 

Costas curvadas sobre as máquinas, ou aproximando os olhos do intrincado bordado em execução por dedos ágeis, embora rudes, marcados pelas picadas frequentes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

loja de vendas 2.JPG

 

Chegaram a ser mil, as mulheres que, laboriosamente, assim criavam os primorosos atavios e toilettes vendidos depois na luxuosa frente de loja da Fábrica Confiança, ali, em plena rua de Santa Catarina, hoje tão no centro da cidade do Porto, mas na época ainda um arrabalde em expansão.

 

 

 

 

 

fabrica confianca gravura.JPG

 

 

 

A grande unidade fabril sucedeu à Bela Jardineira, e à primeira Camisaria Confiança, ambas fundadas por António José da Silva Cunha, um industrial vindo de Amarante com aspirações políticas, que ali levou por diante a “maior fábrica de roupas brancas da Península”, como orgulhosamente se afirmava na publicidade de prestígio que fazia publicar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

fabrica de camisas confianca.JPG

 

 

Na empresa, onde trabalhavam mais de uma centena de moderníssimas máquinas de costura com motor elétrico, - algo novo para a época - o mulherio labutava sob o olhar atento de quem mandava, para que a conversa não fervilhasse e a atenção não se perdesse num meio com tantas moças juntas, horas e horas a fio.

Mesmo assim, o ruído podia ser ensurdecedor.

 

oficina de fiacao1.JPG

 

A maioria estava nas oficinas de costura de onde saía de tudo um pouco: dos atoalhados aos lençóis, dos enxovais infantis às corbelhas de noiva; das camisas masculinas às apuradas toiletes de senhora, dos lenços de pescoço, às ceroulas....

 

oficina de fiacao2.JPG

 

 

 

 

 

Muitas outras distribuiam-se pelas restantes áreas de fabrico: da fiação (imagens 6 e 7) à lavandaria (imagem 8); da oficina de corte ao secador; dos brunis ao embalamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

lavandaria.JPG

embalagem.JPG

 

As contas, a papelada, a venda, ficavam à responsabilidade dos senhores, que teriam alegadamente maior vocação para isso e também para algumas tarefas que exigiam mais força que jeito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

empacotamento.JPG

1200px-Aprfabrica.jpg

 

De resto, era um mulherio que nunca mais acabava, a desfilar à hora da saída, rua de Santa Catarina abaixo, perante os mirones dos mancebos, que não perdiam oportunidade de fazer olhinhos a alguma costureirinha mais engraçada ou suficientemente audaz para retribuir o olhar.

 

 

Tão belo e movimentado espetáculo não escapou ao interesse dos entendidos em imagem. 

 

 

Foi assim que, em 1896, estas operárias, se transformaram nas protagonistas involuntárias do primeiro filme português, quando Aurélio Paz dos Reis, amigo do patrão, as fixou para a posteridade com o seu aparelho cronofotográfico (pode ver a sequência aqui). Fez-se história!

fachada.JPG

 

A fábrica Confiança – que sucedeu às unidades mais pequenas, Bela Jardineira e Camisaria Confiança, instalou-se na rua de Santa Catarina, corria o ano de 1894. 

 

No local onde antes tinha existido o Teatro de Santa Catarina, surgiram umas instalações com 4.800 m2.

 

 

 

oficina de acabamentos.JPG

 

 

O objetivo era claro: conquistar o mercado nacional, das colónias portuguesas e do Brasil.

 

 

 

loja de vendas.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O sucesso prevaleceu ainda pelo século XX adentro, com a loja a tornar-se ponto de encontro incontornável para quem visitava a baixa portuense, até porque passou, a partir de certa altura, a ter outras valências, como salão de chá.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fontes

Arquivo Municipal do Porto

http://gisaweb.cm-porto.pt/

Foto Guedes

F-NV/FG/11/302; F-NV/FG/11/353; F-NV/FG/11/354; F-NV/FG/11/303; F-NV/FG/11/307; F-NV/FG/11/348; F-NV/FG/11/344; F-NV/FG/11/300; F-NV/FG/11/304; F-NV/FG/11/573; F-NV/FG/11/499; F-NV/11/347

Postais

Editor: Le Temps Perdu

D-PST/1649; D-PST/1636

 

Germano Silva, A camisaria Confiança, disponível em:

https://recursos.portoeditora.pt/recurso?id=10200612

 

 

Biblioteca digital luso-brasileira

Litografia Nogueira da Silva, Francisco Augusto, disponível em

http://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/123456789/272922?locale-attribute=en

 

https://www.youtube.com/watch?v=3G34fwIqqD4

 

http://restosdecoleccao.blogspot.com/2013/01/fabrica-confianca.html

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.