Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (44): a última imagem do Carmen Huelva

 

escuna carmen huelva.JPG

Está muito diferente, mas certamente será fácil reconhecer aqui a avenida marginal ao rio Sado, em Alcácer do Sal, o seu contorno e, ao fundo, a conhecida Igreja de Santiago, que domina o casario. Estávamos em 1905 e a importante execução do aterro, que se tinha iniciado alguns anos antes, teria ficado menos documentada, não fosse o naufrágio do Carmen Huelva.

Esta terá sido, muito provavelmente, a última fotografia do navio espanhol que vemos em primeiro plano e que se havia deslocado a esta vila alentejana para carregar madeira que conduziria ao país vizinho. A viagem terminou a 12 de setembro desse mesmo ano.

É que o Carmen Huelva naufragou nesse dia, após embater noutra embarcação, num acidente que tirou a vida a alguns tripulantes desta escuna.

Foi devido a essa tragédia que a imagem, captada e enviada à Illustração Portuguesa por um Thiago Silva, de Alcácer do Sal, ganha honras de publicação na revista. Sem este triste acaso, provavelmente não se conheceria este instanatâneo, que espelha a obra que deu origem à avenida João Soares Branco – em homenagem ao homem que teve a iniciativa de a levar por diante – hoje local privilegiado de passeio de alcacerenses e visitantes.


Antes desta intervenção – que terá demorado quase vinte anos e foi possível devido à pedra trazida como lastro pelos navios que ali aportavam – a zona era uma praia infecta e insegura. As águas do Sado chegavam até às casas ali existentes que, face a tal panorama, estavam estrategicamente voltadas de “costas” para o rio, que na época fervilhava com um constante entra-e-sai de embarcações de diferentes envergaduras e atividades.

 

......................
Já antes aqui falei do como era a marginal ribeirinha de Alcácer do Sal no século XIX.

.....................
Fontes
Hemeroteca digital de Lisboa
http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/
Illustração Portuguesa
nº99, 25 set. 1905

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.