Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (47): nevou no Alentejo

 

neve em alcacer do sal 1.jpg

 


Essa sexta-feira amanheceu especialmente fria, mas só quando as primeiras pessoas começaram a sair de casa, rumo aos seus afazeres, se percebeu que, momentaneamente, a paisagem estava quase irreconhecível, pintalgada de branco gélido nada comum por estas paragens. Foi assim em Alcácer do Sal, a 5 de fevereiro de 1954, data em que esta mesma realidade acordou as populações de terras igualmente conhecidas pelo seu calor, como Almodôvar, também no Baixo Alentejo e Castro Marim, no Algarve.

neve em alcacer do sal  2.JPG


A maioria, sob o peso das obrigações, seguiu a sua vida o melhor que lhe foi possível, atravessando as ruas cheias de neve nas tarefas habituais e tentando perceber, nas suas hortas, que culturas se tinham estragado pela ação do manto branco.

Foi evidente que ninguém estava preparado para tal surpresa, que fez acentuar a pouca eficácia dos agasalhos do humilde cidadão, tantas vezes descalço ou mal calçado no seu dia-a-dia, mais acostumado – e agradecido – às costumeiras temperaturas amenas.

neve em alcacer do sal 3.JPG

 

Os mais afortunados de tempo e aconchego adoraram tão espantoso e invulgar panorama por aquelas paragens. Brincaram, passearam, fizeram-se fotografar para a posteridade até a neve derreter nos campos. Pelo contrário, esta sua memória não mais se dissiparia e, dali em diante, seria repetida vezes sem conta nos invernos mais rigorosos, com a família reunida frente a um lume reconfortante.

neve em alcacer do sal 6.jpg

neve em alcacer do sal 4.JPG

 

Nesse dia, Lisboa despertou com um grau negativo, mas nem sinal de neve, isto apesar de os lisboetas se queixarem daquele “frio repentino e polar”, que os pôs “de nariz vermelho, a bater freneticamente os pés e a esfregar as mãos com desespero”.
Os flocos brancos só deram o ar de sua graça em territórios mais habituados a ocorrências geladas – como Covilhã, Ponte da Barca, Viana do Castelo ou Mogadouro, dois dias depois, mas sem a mesma admiração.


….........
Nas imagens, captadas em Alcácer do Sal, grupo de alunos do externato Dr. José Gentil: Vasco (?) Santana, Manuela Batista (neta de João Bailador), Maria Adelaide Bico Carneirinho, Maria Rosalina Carqueijeiro Magalhães, Ricardo Caixas Conceição, e outros.
…..........
Os meus agradecimentos a Baltasar Flávio da Silva
…................
Fontes

Fundação Mário Soares
http://casacomum.org/cc/diario_de_lisboa/

Diário de Lisboa
Ano 33º, nº11.198 – 5 fev. 1954
Ano 33º, nº11.199 – 6 fev. 1954
Imagens
Arquivo Histórico Municipal de Alcácer do Sal
PT/AHMALCS/CMALCS/BFS/01/01/01/001
PT/AHMALCS/CMALCS/BFS/01/01/01/002
PT/AHMALCS/CMALCS/BFS/01/01/01/003
PT/AHMALCS/CMALCS/BFS/01/01/01/004
PT/AHMALCS/CMALCS/FOTOGRAFIAS/01/0131
PT/AHMALCS/CMALCS/FOTOGRAFIAS/01/0132

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.