Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (61): o primeiro-ministro que morreu em ação

morte em conselho de minutros 1.JPG

 

 

O que são umas meras linhas publicadas num jornal - por muito venenosas que sejam - comparadas com campanhas de pacificação em África, com a trabalhosa captura de Gungunhana* ou a terrível participação de Portugal na I Grande Guerra**. Aparentemente, são muito mais difíceis de [di]gerir e podem até levar à morte. Foi assim com António Maria Baptista, militar que valorosamente enfrentou tantos combates, mas não resistiu sequer a três meses como presidente do ministério, morrendo em pleno Conselho de Ministros.

antonio maria baptista.JPG

 

Tinha apenas 54 anos e a governação já não lhe era estranha. Havia sido ministro da Guerra e do Interior, com espinhosas tarefas entre mãos, desde logo conter as incursões monárquicas e manter a paz pública num período de grandes tumultos e sobressaltos.

Em 1920, tinha pela primeira vez assumido o cargo atualmente equivalente ao de primeiro-ministro.

Conteve o início de uma suposta revolução bolchevique, fechou alguns sindicatos, mas não teve tempo de mostrar que o mais conseguiria fazer.


A 6 de junho, logo após ler uma carta publicada no jornal O Popular, foi acometido por uma apoplexia fatal.

Os jornais, que na véspera lhe mordiam os calcanhares, desdobraram-se em elogios, logo após o funesto desenlace. Nessa versão adocicada pela morte prematura, António Maria Baptista seria o homem certo no momento exato, encarregue de pôr ordem na casa e desmobilizar as constantes greves que paralisavam o País.
A sala do Conselho de Estado foi transformada em câmara ardente.
Os dias seguintes foram marcados por numerosas cerimónias de homenagem em que as qualidades do defunto foram elevadas aos píncaros.
Cumpriu-se o ditado: se queres ser bom, morre ou vai-te!

antonio maria baptista caixao.JPG

 

………………..
O documento que provocou tão infausta reação em António Maria Baptista teria sido publicado no jornal O Popular, então dirigido por Francisco Pinto da Cunha Leal, que também chegaria a presidente do Ministério, em 16 de dezembro de 1921. Ironicamente, também não aqueceria o lugar, porque o governo a que presidia caiu a 7 de fevereiro.
…………………..
*Já aqui antes falei de Gungunhana e da sensação que foi a sua chegada a Lisboa.

**Também já falei aqui da participação de Portugal na I Grande Guerra, das suas tristes consequências e da tragicomédia escrita sobre o assunto.

O mesmo sobre as campanhas portuguesas de pacificação em África.

……………..
Fontes
Hemeroteca Digital de Lisboa
Jornal A Capital
1ºº ano; nº3532 a nº3571 1 a 30 jun 1920
Illustração Portugueza
II Série; nº746 – 7 jun 1920
II Série; nº747 – 14 jun 1920

http://www.politipedia.pt/governo-de-antonio-maria-baptista-ramos-preto-1920/
https://www.infopedia.pt/$antonio-maria-baptista
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Maria_Baptista

 

6 comentários

  • Imagem de perfil

    CV 04.06.2020

    Isso era se eu tivesse encontrado! O problema é que encontrei numerosas referências à dina, mas não a própria. Se encontrar, por favor, diga-me onde está, que eu adorava ler. E bem que procurei. Obrigada!
  • Imagem de perfil

    mitologia 07.06.2020

    Não estava essa carta no dia 5, ou 6, do jornal? Ou a dificuldade é encontrar essa edição do jornal, em si? Ou será que elas existem, mas não contêm nenhuma carta?
  • Imagem de perfil

    CV 08.06.2020

    Olá! Pois, eu não consegui encontrar essa edição do jornal. Se a tivesse encontrado e visto que não tinha a carta, teria contrariado a versão que dá conta que a morte se deveu à mesma. Na restante imprensa que li, desses dias, também não encontrei citações do aludido texto. Mistérios...ou "mitos" urbanos.
  • Imagem de perfil

    mitologia 10.06.2020

    Hum... vamos ver o que se arranja, mas não prometemos nada!
  • Imagem de perfil

    CV 10.06.2020

    OK. Obrigada.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.