Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (64): homens de aço

siderurgia nacional.jpg

 


São homens que vemos na imagem, embora apenas lhes descortinemos os contornos, a sombra. Labutam aparentemente indiferentes ao que se passa à sua volta, ao espectro da chaminé que vomita um fumo espesso, avassalador, que subjuga tudo em redor. São operários da indústria que simboliza o desenvolvimento do País, mas aos nossos olhos parecem estátuas negras, peões insignificantes, mas primordiais, no desígnio maior que era dotar Portugal de capacidade para produzir aço - a referência máxima do progresso industrial português.
O instantâneo, de 1973, foi captado na Siderurgia Nacional, em Paio Pires, concelho do Seixal, à beira Tejo. Foi ali que, cerca de 20 anos antes, se decidiu instalar a “rainha das indústrias”, como foi batizada por António Champalimaud, quando, em 1954, recebeu do Estado a concessão e o monopólio da produção de aço em Portugal. A unidade industrial seria inaugurada em 1961.
Durante uma década, a Siderurgia Nacional foi um dos principais motores da economia nacional e uma referência empresarial inquestionável, mas este instantâneo foi precisamente captado no início do fim desse idílio, manchado pela poluição gerada, de que pouco ou nada se falava.
O primeiro choque petrolífero e o 25 de abril de 1974 ditaram o fim dessa era. A Siderurgia foi nacionalizada em 1975, reprivatizada em 1994; dividida e vendida. Hoje chama-se SN Seixal e depende de capitais espanhóis.
A produção de aço por via integrada terminou em 2001. O gigantesco alto-forno, elemento fundamental ao processo e dominante no recinto, foi substituído por um forno elétrico, que fabrica aço a partir de sucata.
Hoje, o colosso ainda lá está, mas já não labora. Marca o território e a memória, como testemunha de tempos que não se repetem.*


…………………
*O alto-forno da Siderurgia Nacional está classificado como Monumento de Interesse Público desde 2012.
……………………….

Fontes

Imagem
Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa
http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt
Eduardo Gageiro

PT/AMLSB/EGA/000053


http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/6716240


https://observador.pt/2019/02/15/siderurgia-nacional-afirma-que-nada-na-sua-producao-justifica-poluicao-em-paio-pires/


https://www.dn.pt/edicao-do-dia/24-dez-2019/aconteceu-em-criada-a-siderurgia-nacional-11650019.html


https://www.dinheirovivo.pt/starcompany/siderurgia-nacional-criada-para-tirar-o-pais-da-horta-hoje-vira-se-para-fora/


https://dre.pt/application/dir/pdf2sdip/2012/12/248000001/0006400065.pdf

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.