Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (71): enquanto o comboio se despenhava, a Lisboa elegante aplaudia

viagem inaugural comboio.JPG

 

 

À mesma hora que tudo o que era gente importante ou que almejava sê-lo se preparava para abrir a época de ópera no Real Teatro de São Carlos,ponte sobre nrio sever (2).JPG um comboio de passageiros despenhava-se na ponte internacional sobre o rio Sever*, entre Marvão e Valência de Alcântara. Bom, não terá sido bem à mesma hora, porque a velocidade das notícias era muito diferente naquele longínquo ano de 1885 e o acidente tinha ocorrido nessa manhã. A chegada do funesto telegrama às redações dos jornais é que coincidiu com o momento em que os camarotes se enchiam de cetins, veludos e rendas, os artistas ensaiavam pormenores de última hora e crescia a expectativa pelo espetáculo do ano. A informação correu célere em Lisboa, mas o high-life estava demasiado ansioso com a apresentação dessa noite para derramar uma lágrima que fosse pelos infelizes que se anunciava terem perecido na tragédia.

A composição descarrilou porque em plena linha se encontrava um cavalo - pobre e inconveniente equídeo que não deve ter sobrevivido para contar a história, até porque a ponte ruiu parcialmentponte sobre nrio sever (1).JPGe com o acidente. Morreram “apenas” três pessoas, trabalhadores dos caminhos-de-ferro, que provavelmente trabalhavam e viajavam na locomotiva. Houve vários feridos, mas o saldo de mortos foi baixo, explicavam os jornais, porque o rio levava pouca água. Caso contrário, todos os passageiros ter-se-iam afogado.


Já a soirée, no “São Carlos” foi de grande excitação. Regressada dos banhos de termas e de mar com que tinha ocupado o verão, a classe privilegiada estava particularmente expectante com aquela apresentação da soprano italiana Erminia Borghi-Mamo** (na imagem) e o interesse não era exclusivamente cultural.

erminis borghi mamo.PNG

 

É que desde a sua última aparição em Lisboa, a diva havia casado e, para os grupos ociosos, isso era razão mais do que suficiente para que um enorme burburinho pairasse no ar. Será que o matrimónio e recente maternidade lhe tinham estragado a voz? Será que ainda conseguia alcançar as notas mais difíceis? Denunciariam as suas formas a sua nova condição?
Com tantas e tão poderosas dúvidas, nessa noite de 30 de outubro não havia tempo nem disposição para outras preocupações, quanto mais para qualquer emoção pelos mortos e feridos num acidente ocorrido em lugar remoto e onde, certamente, não teria estado envolvido ninguém digno de importância…

 


………………..

*A ponte sobre o rio Sever fazia parte do denominado Ramal de Cáceres, entre a estação de Torre das Vargens, na linha do Leste, e a fronteira com Espanha. Entrou em exploração em 1879 e tinha originalmente objetivos industriais, porque foi pensado para fazer chegar ao porto de Lisboa os fosfatos das minas de Cáceres, mas passaria a receber as viagens de passageiros entre Lisboa e Madrid.
Foi encerrado em 2012, com a circulação do comboio internacional Lusitânia, em itinerário alternativo, a fazer-se pela Linha da Beira Alta.
…………………..

**Ermínia Borghi-Mamo era filha dos também cantores líricos italianos Michele Mamo e Adelaide Borghi. Não espanta, portanto, que tivesse nascido praticamente num teatro, horas após a sua mãe cantar Il Trovatore, de Guiseppe Verdi. A sua carreira durou vinte anos (1873-1893). Em Lisboa, em outubro de 1885, provou, como se tal fosse necessário, que os grandes talentos sobrevivem ao matrimónio e à maternidade.
……………….

Já aqui antes falei de outras noites memoráveis no Real Teatro de São Carlos. Como aquela em que a diva de todas as divas, Adelina Pati, endoideceu Lisboa.

..................

Nota: a primeira imagem, não representa o acontecimento relatado. É meramente ilustrativa da época. Não encontrei qualquer gravura sobre o acidente.

.....................
Fontes
Hemeroteca Digital de Lisboa
hemerotecadigital.cm-lisboa.pt
A Illustração Portuguesa – Semanário – Revista Literária e Artística
2º ano; nº16 – 2 nov. 1885

Biblioteca Nacional em Linha
www.purl.pt
Diário Illustrado
14º ano; nº4494 – 31 out 1885

Lisboa, o S. Carlos e Adelina Patti, de Patrícia Moreno, Chiado Editora – jan. 2018

https://www.infraestruturasdeportugal.pt/pt-pt/node/1482

https://greatsingersofthepast.wordpress.com/2017/12/15/erminia-borghi-mamo-mezzo-soprano/

https://en.wikipedia.org/wiki/Erminia_Borghi-Mamo

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ramal_de_Cáceres

http://pombaldomarques.blogspot.com/2012/10/ponte-internacional-sobre-o-sever-ramal.html

http://omelhoralentejodomundo.blogspot.com/2015/11/ponte-internacional-do-rio-sever-marvao.html

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    CV 03.12.2020

    Eu é que agradeço!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.