Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

(28) Instantâneos: o cinema que era uma fábrica

marcelino rebelo.GIF

Marcelino Rebelo ficou para a história de Alcácer do Sal por ter aberto ao público um cinema ao ar livre onde muitos alcacerenses que viveram a infância nos anos 30 e 40 do século XX tiveram o primeiro contacto com a 7ª arte. O Cinema Sado foi improvisado no quintal fronteiro da casa que o “Marcelino” tinha na zona do Cabo de São Pedro, junto ao rio, e que, embora em ruínas, ainda existe (na primeira fotografia).
Os filmes eram mudos, sobretudo histórias de cowboys, acompanhadas por música que saía de um roufenho gira-discos. Eram projetados numa parede, com uma máquina alugada. A vedação foi subida, fazendo uso de uns panos, para evitar mirones, mas havia sempre quem tentasse trepar ou esgueirar-se por debaixo dos bancos corridos onde o público pagador assistia. Era uma alegria!

O cinema, no entanto, escondia uma realidade menos recreativa: o “Marcelino”, homem empreendedor e de grande iniciativa, tinha no interior do mesmo edifício uma fábrica de descasque de pinhão (na segunda imagem), onde trabalhava mais de uma dezena de pessoas, sobretudo mulheres e crianças, que dali retiravam o seu sustento.

fabrica macelino.JPG


Marcelino João Rebelo – que se envolveu em múltiplos outros negócios, da taberna inicial ao comércio de carvão e até galinhas, está nas duas imagens. Na primeira, orgulhosamente, em frente ao seu Cinema Sado. Na segunda, ao fundo, “espreitando”, como que envergonhado, por entre duas cabeças femininas, mesmo por debaixo do senhor que roda a manivela de um estranho e arcaico equipamento.


Fontes
Jornal Voz do Sado, julho 2003, texto de João Marrafa, gentilmente cedido por Baltasar Flávio da silva
Arquivo Histórico Municipal de Alcácer do Sal
PT/AHMALCS/CMALCS/FOTOGRAFIAS/01/0175
PT/AHMALCS/CMALCS/BFS/01/01/01/166

 

5 comentários

Comentar post