Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Instantâneos (73): quando os “cabeças de giz” recebiam cabazes de Natal

 

sinaleiro 4.jpg

 

sinaleiro 2.jpg

Doces, garrafões de vinho e de azeite, bacalhau – claro - mas também animais vivos, peças de mobiliário e eletrodomésticos de peso, como um frigorífico. A imaginação era o limite quando se tratava de enaltecer o papel que os polícias sinaleiros tinham na correta orientação do trânsito e também, certamente, amenizar o impulso disciplinador daqueles agentes da segurança rodoviária.

À luz dos nossos dias, parece estranho que os sinaleiros tivessem tal preponderância, mas, efetivamente, numa época em que os portugueses – os poucos privilegiados que tinham automóvel - se habituavam às regras do código da estrada – criado apenas em 1928 – o papel destes homens foi pedagógico e essencial para travar excessos daquela elite habituada a fazer o que bem queria.

sinaleiro acp 3.jpg

 

Tal como em outros países da Europa, optou-se por uma farda distintiva da atividade, nomeadamente com um reluzente capacete branco, que rapidamente lhes valeu o epiteto de “cabeça de giz”.

 

sinaleiro acp 1.jpg

Partiu do Automóvel Clube de Portugal (ACP) a iniciativa Natal do Sinaleiro, lançada em 1932, ano em que havia 120 destes agentes em Lisboa e 57 no Porto. Tinham um posto fixo e eram conhecidos pelo nome, não granjeando a simpatia de todos os automobilistas.

sinaleiro acp 4.jpg

Dois dias antes do Natal, era montada a decoração e os postos de recolha dos presentes, ali deixados por empresas e por particulares apostados em cair nas boas graças de determinado sinaleiro. Depois era só aguardar, para ver o que o “menino Jesus” deixava no “sapatinho”.

sinaleiro acp 2.jpg

Parte das ofertas era entregue a instituições de caridade, mas os sinaleiros conseguiam arrecadar um cabaz de Natal bastante invejável.

Havia de tudo: a juntar aos mais corriqueiros acepipes comuns na época de Natal e não só – o “fiel amigo”, bolachas, bolos, chocolates e rebuçados em grandes caixas, sacas de arroz e de batatas, cestos com fruta e legumes – apareciam sacos de carvão, atoalhados e cobertores, loiças, tabaco, peças de vestuário, bebidas alcoólicas…

Um amontoado de fardos, sacos, caixas e pacotes, num colorido que rendia muitos mirones.

E dinheiro…

sinaleiro 3.jpg

 

Se fosse hoje, qualquer um destes presentes - mesmo o leitão, as galinhas, os perus ou os borregos vivos, era considerado suborno. Que dizer então de envelopes com dinheiro equivalente a uma parte considerável do magro salário auferido pelos sinaleiros?

Talvez por isso, o Natal do sinaleiro terminou em 1953 e não parece ter condições para que alguma vez possa ser retomado. Quanto à profissão, embora tenha praticamente desaparecido, está agora a ser relançada em algumas cidades, numa abordagem mais humana às tantas vezes maltratadas regras de trânsito.

sinaleiro 1.jpg

 

Fontes

O regresso do polícia sinaleiro (acp.pt)

O Natal recheado dos polícias sinaleiros - Vida - SÁBADO (sabado.pt)

Texto de Susana lúcio

Arquivo Municipal de Lisboa

X-arqWeb (cm-lisboa.pt)

Texto de Paulo Jorge dos Mártires Batista

 

Imagens

Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

X-arqWeb (cm-lisboa.pt)

Código de Referência:

PT/AMLSB/EFC/000973

PT/AMLSB/EFC/000975

PT/AMLSB/EFC/000976

PT/AMLSB/EFC/000978

 

www,acp.pt

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.