Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Meloas de Palma inspiraram poetas

meloas 1.jpg

 

 

Talvez a especial doçura do fruto não tenha passado da imaginação de Joaquim Correia Baptista, um intelectual alcacerense do final do século XIX. Certo é que este garante terem as meloas de Palma inspirado versos de um reputado poeta setubalense.

Capturarpalácio de palma.JPG

Palma, a meio caminho entre Águas de Moura e Alcácer do Sal, ali onde começa o Alentejo, é tradicionalmente conhecida pela sua extensa área de montado e campos de arroz; por ter sido uma das maiores propriedades privadas do país, sede de morgado e condado; por receber caçadas reais e possuir um belo palácio ou ainda pela criação de cavalos, que ali chegou a desenvolver-se. Poucos saberão, no entanto, que no final do século XIX, Palma terá igualmente ficado célebre pela produção de meloas. Tão doces, tão doces, que chegaram a inspirar uma quadra do conhecido vulto setubalense Manuel Maria Portela, esse mesmo que dá nome à movimentada avenida que habitualmente, e de forma simplificada, designamos “da Portela”.

“Eu não cria se não fosse

Cousa já por mim provada

Que de terra tão salgada

Viesse cousa tão doce”

Os versos são transcritos no jornal “O Século”, pela mão de [Joaquim] Correia Baptista. O respeitado alcacerense, fundador do Museu Municipal Pedro Nunes e da Sociedade Filarmónica Progresso Matos Galamba, terá oferecido aquele fruto ao poeta e jornalista da outra cidade do Sado. Nas mesmas páginas, afirma que inicialmente se produziam em Palma melões, mas que, com o passar do tempo, se diversificou para a cultura de meloas.

igreja de palma.JPG

 

Este fruto, originário de África e da Índia, só começou a ser semeado em 1700, com sementes trazidas da Arménia e na época ainda pouco conhecidas do grande público. Segundo Correia Baptista, rapidamente as meloas granjearam adeptos, tanto que se “exportavam” para Setúbal e Lisboa com grande sucesso.

josemariadossantos.JPG

 

Desconheço se esta foi uma das muitas novidades que o grande lavrador José Maria dos Santos trouxe para Palma. É que esta propriedade era gerida pelo também detentor de Rio Frio desde 1868 e passaria de forma definitiva para sua posse exatamente no mesmo ano em que “O Século” publicava a história das meloas (1897). A transação resultou do facto de o conde de Óbidos e Sabugal não conseguir pagar os valores respeitantes à hipoteca que recaía sobre aquelas terras, nem os montantes contratados com aquele que seria seu futuro dono e que comprou a dívida do conde. Palma e Moncorvo custaram a José Maria dos Santos a quantia de 75 contos.

E, se a herdade de Palma já era colossal quando a adquiriu, trataria de expandir o território com a aquisição de fazendas confinantes, aumentando grandemente a área de lavoura e, tal como em outros territórios sob o seu domínio, experimentando técnicas, equipamentos e produtos (adubos, por exemplo), modernos e inovadores.

monte de palma.JPG

 

Não seria, por isso, de espantar que a semeadura de meloas tivesse ali sido tentada por José Maria dos Santos, mas o curioso é que, em avaliação feita em 1878 aos bens ali produzidos, não é mencionado qualquer fruto, dando-se apenas destaque à produção de cereais, azeite e cortiça.

Talvez porque meloas não fossem a prioridade daquele que chegou a deter a maior vinha da Europa (Rio Frio); o maior olival do País (Machados) e a maior herdade de Portugal (Palma).

 

 

À margem

 

baptista e portela.jpgNão admira que Manuel Maria Portela e Joaquim Correia Baptista pudessem ter sido amigos, já que tinham muito em comum. Ambos exerceram, nas suas terras, diversos cargos, nomeadamente o de secretário das respetivas câmaras municipais. Ambos defenderam o património local, coligindo informação e objetos históricos, para que não se perdessem e pudessem ser apreciados pelas gerações vindouras. Ambos escreveram em jornais e estiveram também entre os fundadores de instituições de grande relevância. Manuel Maria Portela teria maior sucesso. Foi jornalista, escritor e poeta, com extensa obra publicada e musicada. Esteve na primeira linha no elogio público ao génio de Bocage e também ele tem sido reconhecido como grande vulto setubalense, homenageado no topónimo de uma importante avenida. Já o nome de Joaquim Correia Baptista, parece ter caído no esquecimento dos alcacerenses e poucos saberão o quanto lhe devem.

Mas isso é outra história...

 

Fontes

Arquivo Histórico Municipal de Alcácer do Sal

Jornal O Século

PT/AHMALCS/CMALCS/JJR/01/01/02/001

17º ano, nº 5:592 – 8 ago. 1897

PT/AHMALCS/CMALCS/JJR/01/01/02/002

17º ano, nº 5:606 – 22 ago. 1897

PT/AHMALCS/CMALCS/JJR/01/01/02/003

17º ano, nº 5:648 – 3 out. 1897

 

http://vcp.ul.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=45&Itemid=122

Monografias alentejanas, de Pedro Muralha, Imprensa Beleza, Lisboa, 1945

Memórias da Herdade de Rio Frio, de Pedro Pereira Leite, 2009

José Maria dos Santos – O morgado da canita, de Conceição Andrade Martins, em https://www.academia.edu/1524452/José_Maria_dos_Santos_O_Morgado_da_Canita

https://pt.wikipedia.org/wiki/Meloa

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.