Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O poeta que criava máquinas voadoras

 

 

aeroplano gouveia.JPG

 

Construiu centenas de modelos miniatura do seu aeroplano, inovando e inventando novas soluções a cada “desastre” aéreo.

 

João Gouveia era um poeta. Era também um inventor de máquinas voadoras nas quais sonhava cruzar os ares. Haveria conjugação mais perfeita? Os seus poemas chegaram a ser publicados*, mas não teve a mesma sorte com o aeroplano, porque fatores bem terrenos, como a política e o dinheiro, se encarregaram de colocar pedras na engrenagem e relegaram as suas criações para meras notas de rodapé da aeronáutica portuguesa.

pina gouveia e a irmã, na madeira.JPG

 

Esta é uma história que começa na Madeira e tem passagens por Lisboa, Seixal e Trafaria, porque este visionário dedicou toda a vida à tarefa de inventar aparelhos voadores, desde aquele dia em que, com 15 anos, leu o livro Robur, O Conquitador, de Júlio Verne.

Foi como um feitiço que o fez não mais parar de pensar em propulsões, sustentações, movimentos verticais e horizontais, elevação, motores, estabilidade e outros dilemas a que os estudiosos – e os curiosos - do seu tempo se dedicavam.

modelo joao gouveia.JPG

No início do século XX, aliás, ainda se questionava se os aviões serviriam para algo mais do que apenas brincar, mas isso não impediu uma autêntica corrida aos céus, para ver quem conseguir voar primeiro.

 

Havia verdadeiras polémicas entre os defensores dos diferentes tipos de “máquinas” que então se ensaiavam para cruzar os ares, como os balões e os aeroplanos, preferidos por este madeirense.

João da Mata Camacho Pina de Gouveia nasceu no Funchal, em 8 de fevereiro de 1880. Terá sido aí, observando as aves, que lhe surgiram as primeiras ideias para o seu avião.

aeroplano gouveia3.JPG

 

Já no continente - onde estudou na Escola Superior de Letras e na Escola Politécnica - embora não tivesse formação em engenharia, soube rodear-se de entusiastas e entendidos, nomeadamente militares, tendo participado na criação do Aero Club de Portugal.

Os seus planos e modelos receberam rasgados elogios da Academia das Ciências e chegou a registar a patente de pelo menos um.

Inicialmente, recebeu significativos contributos monetários do então rei D. Manuel II, da Câmara Municipal de Lisboa e do Ministério da Guerra, bem como de alguns proeminentes republicanos, que não quiseram ficar de fora.

Em tempos conturbados como aqueles foram (1909-1912), começava a desenhar-se na luta política e de protagonismo – sempre gerador de invejas - o mal que minaria o seu sucesso.

lancando contra o vento.JPG

 

Construiu centenas de pequenos aparelhos movidos por hélices, a que elásticos enrolados garantiam movimento. Face a cada desastre em miniatura, corrigia pormenores e inovava, para melhorar o modelo seguinte, num “trabalho morosíssimo” do qual nunca desistiu.

Em 1911 noticiava-se estar concluído o seu primeiro aeroplano em tamanho real, produzido no Arsenal da Marinha e depois transferido para o Seixal, onde foi erguido um hangar e planeava criar uma escola de aviação.

Este monoplano tinha 9 metros quadrados e um motor Anzani de 3 cilindros e 25 cavalos. Pesava, já com aviador e depósitos cheios, cerca de 330 quilos.

Anunciavam-se as primeiras experiências de voo, mas só em janeiro de 1912 se terá lançado aos comandos da sua aeronave.

Ao contrário dos airosos modelos miniatura, que voavam, o aeroplano em tamanho real de Gouveia demonstrou, na descolagem, problemas ao nível da ligação entre o motor e a hélice, que ditaram a sua ruína.

A partir daí, as notícias outrora abundantes sobre os progressos deste pioneiro da aeronáutica em Portugal, começam a rarear, embora se saiba que - mais recatado, é certo - persistiu no seu sonho.

Cerca de três décadas depois deste desaire, contaria que, em paralelo com os elevados custos implicados na reparação o seu avião, os apoios esmoreceram, o que não terá sido alheio às simpatias monárquicas do inventor, num País onde eram já os republicanos que ditavam as regras.

Já em 1944, longe do auge da corrida aos ares, fala-se dele pela última vez, porque inventou um avião – novamente em tamanho reduzido - constituído apenas por uma asa, que já havia testado na zona do Areeiro, em Lisboa, e novamente lançou ao ar na Trafaria.

Morreria três anos depois, sem ter conseguido concretizar um aeroplano de transporte, que, em tamanho real, efetivamente, voasse e fosse manobrável.

 

“…sofria imenso d’ir aos rochedos

Ao alto déles

E não poder

Tentar as asas sobre os penedos

As asas que os homens deviam ter…

João Gouveia – Atlante 1903

 

À margem

biplano gomes da silva.JPG

 

Cronologicamente, João Gouveia tem de repartir o título de pioneiro na construção aeronáutica em Portugal com Abeillard Gomes da Silva, engenheiro portuense que viajou em busca de conhecimentos e, ainda no estrangeiro, construiu um biplano para representar Portugal no primeiro certame de aviação real realizado no Mundo, o histórico “meeting” de Juvisy (França), em 1909. Não chegaria a ter oportunidade de mostrar as qualidades do revolucionário “Gomes da Silva I”, porque a organização, alegadamente com receio deste extraordinário português suplantar outros concorrentes mais afamados, o desclassificou por atrasos na entrega do motor.

Já em Portugal, fez alterações ao aparelho e registou a patente da segunda versão, mas o ensaio de voo, em Tancos, não resultou e o aparelho embateu num talude, gorando as hipóteses de voar.

abeillard gomes da silva aos comandos do aparelho.

 

Abeillard Gomes da Silva foi reconhecido, em 1909,  com o diploma de pioneiro aviador e sócio honorário do Aero Clube de França e do Aero Clube de Portugal, no ano seguinte, sendo o primeiro piloto português a receber tal distinção.

De facto, nas décadas seguintes, quando se passou do esvoaçar em miniatura ao voo verdadeiro e frequente, à aventura de construir aviões, somou-se a bem mais arriscada tarefa de os pilotar.

Nos jornais portugueses da época são numerosas as notícias de acidentes, quase sempre fatais, com quedas de aeronaves pilotadas por estes temerários que arriscaram a vida para que hoje possamos voar em segurança.

Mas isso é outra história…

…………………..

*João Gouveia publicou dois livros de poesia Breviário (1900) e Atlante, (1903). Viu serem representadas duas peças de teatro de sua autoria: Engano de Alma, e Mar de Lágrimas, esta escrita em colaboração com Jorge Santos. É homenageado na toponímia de dois concelhos: Seixal e Sintra (Monte Abraão).

……………….

 

Fontes

João Gouveia – Pioneiro da construção aeronáutica portuguesa, de Luís M. Alves de Fraga. Disponível aqui: João Gouveia - Congresso em Madrid (ual.pt)

Visão | A história da máquina (quase) voadora de um inventor português (sapo.pt)

Texto de Rosa Ruela

João Pina Gouveia: o dramaturgo madeirense que inventou o primeiro avião português (funchalnoticias.net) texto de José Luís Sousa Freitas

https://ruascomhistoria.wordpress.com/2016/02/08/pina-gouveia-um-dos-pioneiros-da-aviacao-em-portugal/ citando Dicionário Cronológico de Autores Portugueses Vol. III, organizado pelo Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, Coordenação de Eugénio Lisboa, Edição de 1990, Editado por Publicações Europa América e Ecomuseu Municipal do Seixal

(12) Voando em Moçambique | Facebook, de José Vilhena e Luísa Hingá

A Illustração Portugueza

nº171 - 31 maio 1909

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.