Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O poeta que saiu do armário nunca foi perdoado

antónio botto 3.GIF

 


Foi o primeiro à escala global a assumir-se abertamente e sem rodeios. A sua obra, largamente elogiada pelo genial Fernando Pessoa, não mais seria olhada da mesma forma. Há quase cem anos, António Botto chocou a pudica sociedade portuguesa.

 

António Botto teve, em 1921, o arrojo de, com a sua arte, expor de forma despudorada, descomplexada e clara uma preferência pela estética do amor homossexual. Foi o primeiro no mundo a ter tal ousadia, logo perseguida pela “moral e bons costumes”, no que ficou conhecido como “o maior escândalo erótico-social do século XX"*. De pouco lhe valeu a defesa artística de Fernando Pessoa ou José Régio, porque a sua obra nunca mais seria avaliada de forma isenta. Mas, quem foi este homem que conseguiu escrever “literatura de Sodoma” e, em simultâneo, livros aprovados pelo Cardeal Cerejeira e até aconselhados para o ensino?

antónio botto 5.GIF

Até mesmo para os estudiosos de Botto é difícil perceber onde termina a realidade e começa o mito, porque o escritor criou uma imagem desejada de si próprio, mais favorável ao seu reconhecimento público, que avidamente procurava.

Nasceu no concelho de Abrantes, em 17 de agosto de 1897 e cedo veio com a humilde família viver para Lisboa. O pai era fragateiro e Botto cresceu no ambiente popular e boémio de Alfama, não se lhe conhecendo instrução formal aprofundada.

 

 

 

 

É pois um autodidata que, em 1921, publica o “escandaloso” livro

antónio botto 1.GIF

de poesia “Canções” (com prefácio de Teixeira de Pascoaes). Com a greve dos jornais que nesse abril vigorava, a obra quase passaria despercebida, não fosse pelo menos um texto violento n’A Capital, em que o jornalista Armando Ferreira chega a defender o uso de “pau de marmeleiro” para “escorraçar” o artista, cuja fotografia (à direita) “nuzinho até aos ombros e com os olhos em alvo” - que acompanhava o livro nos escaparates - provocou tanto melindre como as linhas que escreveu. Curiosamente, no Diário de Lisboa, o insuspeito António Ferro disse não ter visto qualquer escândalo, antes uma “sensibilidade delicada” por parte de um “poeta de gosto”.


antónio botto 6.GIF

“Canções” sai verdadeiramente do anonimato dois anos depois, quando é reeditado por Fernando Pessoa, que elogia amplamente o talento de António Botto, o que fará até ao fim da vida, em numerosos escritos, considerando-o o único esteta português.

O alarde social, no entanto, é aumentado pelo movimento lançado pela Liga de Ação dos Estudantes de Lisboa, apostada em calar a “literatura de Sodoma”, em que incluíam o trabalho de António Botto e que culminaria com os livros apreendidos e queimados.

 

antonio botto4.JPGO escritor não se calaria, nem se conteria. Continuou a escrever, poesia e prosa, teatro, crítica… Publicou também literatura infantil, nomeadamente O Livro das Crianças, aprovado pelo Cardeal Patriarca de Lisboa e posteriormente traduzido para inglês e irlandês, tendo esta última versão sido homologada para o ensino naquele país.

E prosseguiu, igualmente, destacando-se, exibindo-se a provocando. Altivo, exuberante, narcísico, Botto não deixava ninguém indiferente e marcava a sua cor numa sociedade mais dada a cinzentismos. Foi sempre um outsider, nunca aceite pelo snob mundo intelectual a que pertenceria por mérito dos seus escritos, mas no qual não se enquadrava, nem pelas modestas origens, nem pela postura exibicionista.

 

antónio botto 7.GIF

 

Esta exclusão, com raras exceções, revelar-se-ia igualmente com a sua demissão do humilde emprego público que ocupava, por alegadamente não saber manter o decoro no local de trabalho e, anos depois, com um exílio voluntário no Brasil, onde revelaria a sua veia de desenhista e “arquiteto”, mas acabaria por viver na miséria, consumido pela doença – presumivelmente sífilis – e a decadência criativa e estética.

antónio botto 2.GIF

A morte chegaria de forma abrupta, mas quiçá benéfica, quando foi atropelado numa avenida do Rio de Janeiro, Tinha 61 anos.

Contraditório – assumidamente homossexual, mas casado com uma mulher - controverso, polémico, desconcertante e muitas vezes esquecido. António Botto tem a sua obra dispersa. O reconhecimento tem vindo tarde e aos poucos: foi elogiado por muitos vultos e faz parte de algumas grandes antologias da poesia portuguesa (mas está omisso noutras). Mais recentemente, a sua relação com Fernando Pessoa “deu” um filme e Anna M. Klobucka publicou «O Mundo Gay de António Botto». Também a sua obra Histórias do Arco-da-velha está presentemente recomendada para o ensino, em Portugal.

 

Pode a crítica vir com seus tambores,
Seus clarins ou punhais envenenados,
Que eu fico tal e qual como essas couves
Que há nos grandes jardins civilizados

António Botto
Inédito retirado do livro O Mundo Gay de António Botto, de Anna M. Klobucka


À margem

 

Pedro_Teotónio_Pereira.jpg

Canções, de António Botto, não foi o único visado pela Liga de Ação dos Estudantes de Lisboa, que, naquele ano de 1923, jurou acossar o que apelidou de “literatura de Sodoma”. Entre os alvos desta iniciativa moralizadora estavam igualmente “Sodoma divinizada”, de Raúl Leal, e “Decadência”, da escritora Judite Teixeira. Todas estas obras acabariam por ser retiradas das livrarias e reduzidas a cinzas. A perseguição, que foi secundada pela Igreja Católica, geraria respostas e contrarrespostas, nomeadamente por parte de Fernando Pessoa. Depois de, numa primeira fase, pedir aos meninos estudantes que fizessem o que era esperado deles, ou seja, estudar e divertir-se com mulheres, se gostassem de mulheres e divertir-se de outra maneira, se essa fosse a sua preferência, porque “tudo está certo, porque não passa do corpo de quem se diverte”; acaba por ser mais assertivo, considerando os elementos daquele movimento estudantil “estúpidos e sórdidos, por não conseguirem “conceder a possibilidade de um talento alheio que não compreendem” e classificando como “entristecedora” aquela posição, tanto mais que derivava de jovens, cuja inteligência deveria ser “álacre e desperta” e, em vez disso, “rastejam na imbecilidade". A Ação dos Estudantes de Lisboa era liderada por Pedro Teotónio Pereira, que anos depois viria a ser um dos homens fortes na diplomacia do Estado Novo e chegou a ser apontado como o sucessor natural de Salazar.

Mas isso é outra história…

………………….

* O título é do historiador Jesué Pinharanda Gomes

................

Fontes
O Mundo Gay de António Botto, de Anna M. Klobucka; Sistema Solar - 2018, parcialmente disponível em: https://issuu.com/sistemasolar/docs/excerto_o_mundo_gay_de_anto_nio_bot

 

António Botto – Poesia; edição, cronologia e edição, Eduardo Pitta; Assírio&Alvim


Fundação Mário Soares
http://casacomum.org
Jornal Diário de Lisboa

Hemeroteca Digital de Lisboa
http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/
Jornal A Capital

 

https://observador.pt/especiais/a-maior-felicidade-e-ser-se-compreendido-sete-poemas-para-recordar-antonio-botto/


https://observador.pt/especiais/antonio-botto-nao-foi-so-amigo-de-fernando-pessoa-foi-o-primeiro-do-mundo-a-escrever-poesia-homoerotica-sem-veus/

Trabalhos de Rita Cipriano


https://modernismo.pt/index.php/p/708-pedro-teotonio-pereira

 

imagens

 

https://www.flickr.com/photos/biblarte/36515303426

https://www.sabado.pt/gps/palco-plateia/livros/detalhe/poesia-completa-de-antonio-botto-reunida-e-com-versos-politicos


https://oportunityleiloes.auctionserver.net/view-auctions/catalog/id/2086/lot/771449/?url=%2Fview-auctions%2Findividual-lots%2F%3Fpage%3D1undefinedort%3D50ir%3D1%26items%3D580


https://pt.wikipedia.org/wiki/Can%C3%A7%C3%B5es#/media/Ficheiro:António_Botto,_Canções,_2nd_edition.jpg

http://geneall.net/images/names/pes_182441.jpg

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.