Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Os estranhos destinos das filhas de Carlos Relvas  

 

 

 

105-0.jpg

 

Entre a genialidade e o escândalo, o preconceito e a tradição, o autoritarismo e a desgraça. A história de duas mulheres que seguiram caminhos opostos… e a vida trágica dos seus irmãos.

familia relvas.JPG

Carlos Relvas*, exímio fotógrafo, inventor brilhante, corajoso toureiro amador e eminente fidalgo da Casa Real, teve duas filhas**. A mais velha, que herdou o nome da mãe, Margarida, fez o percurso esperado de alguém da sua classe e condição, foi até uma verdadeira companheira do pai, pois com ele partilhava o gosto e o talento para a captação de imagens. Quanto à irmã, Clementina (como a avó paterna), ficou para a história pelo escândalo que rodeou o seu casamento forçado com o noivo escolhido pela família, num drama que espelha o preconceito e a ignomínia reservada às mulheres que, em finais do século XIX, ousavam trilhar o seu próprio caminho.

 

margarida relvas3.JPG

As irmãs nasceram em casa abastada e culta de grandes proprietários rurais e nobres da Golegã. As regras estavam bem definidas à partida.

Margarida foi a primeira mulher fotógrafa em Portugal. Não por ter sido quem pela primeira vez acionou uma máquina fotográfica, mas porque foi com ela que o “belo sexo” lusitano se estreou de forma continuada e consistente naquela arte.

 

margarida relvas.jpg

Fez com o pai verdadeiras maratonas para conseguir os melhores planos, participou em numerosas exposições e concursos, onde os seus trabalhos foram amplamente premiados. Ainda assim e apesar da singularidade e valor da sua obra, nunca se livrou da suspeição de não ter sido autora das imagens que ostentavam a sua assinatura. Talvez porque, na época, questionava-se que as mulheres pudessem ser dotadas de criatividade artística ou possuir tal domínio e entendimento de técnicas, para mais de uma atividade que ainda era estranha e quase mágica para a maior parte da população.

alberto de campos navarro.JPG

Fica no ar a dúvida: será que Margarida gostava mesmo de fotografar ou o fazia por respeito e obediência ao pai, o altaneiro Carlos Relvas, que poucos ousavam desafiar? É que, depois de casar, cedo e de acordo com a sua condição, com o médico Alberto de Campos Navarro, deixou de se dedicar a esta atividade, optando pela muito mais recatada pintura. Foi a única a deixar descendência.

maria clementina2.JPG

 

 

Pois, se Margarida seguiu o que dela se esperada, já Clementina teria uma existência muito diferente, que embora permaneça envolta em mistério, causou profundo escândalo, muito pela notoriedade do clã Relvas.

É difícil perceber o que é ficção e o que realmente aconteceu, incerteza para a qual contribui o facto de Alves Redol ter-se inspirado na família Relvas para escrever o seu romance Barranco dos Cegos.

maria clementina.JPG

 

Certo é que a jovem estava prometida ao primo José da Cunha d’Eça Azevedo, doutor de leis, mas, como o destino adora contrariar estes arranjos familiares, apaixonou-se por um campino criado de seu pai e, ao que parece, era correspondida. Ainda assim, acabaria, aos 21 anos, por casar com o noivo apalavrado.

 

 

jose da cunha deca de azevedo.JPG

 

 

 

Conta a lenda que o apaixonado desapareceu, deixando Clementina perfeitamente desesperada. Terá sido encontrado, 50 anos depois, emparedado numa propriedade da família Relvas cedida para a construção do Tribunal da Golegã. Foi identificado por um anel oferecido pela mulher amada, com as suas iniciais e um símbolo alusivo à profissão.

A versão popular diz ainda que Clementina enlouqueceu e acabou os seus dias a pedir esmola em Lisboa, mas parece que não foi bem assim.

casamento de clementina e manuel hipolito ferreira

 

Sabemos que, por opção ou imposição, alguns anos após o casamento, se refugiou no Convento de Santo António da Sertã, que a família paterna adquiriu com a extinção das ordens religiosas e Clementina herdou.

Pouco depois, intentou uma ação de separação contra o marido, mas o processo arrastou-se pelos tribunais, já que o divórcio não era permitido até à implantação da República e, no seu caso, só viria a ser decretado em 1912.

casamento de clementina e manuel hipolito ferreira

Posto isto, parece ter continuado com a sua vida, pois voltou a casar, em 1918, com o amigo de longa data, Manuel Hipólito Ferreira. Um enlace serôdio que se espera ter sido mais feliz que o primeiro.

 

 

 

 

Todavia, vida tem destas ironias: Carlos Relvas, que contrariou o amor da filha e já não assistiu a este matrimónio, teve ele próprio uma relação contestada pela família.

funeral de margarida amélia.JPG

 

Menos de um ano após o faustosíssimo funeral (na imagem) da sua amantíssima primeira mulher, Margarida Amélia, filha dos condes de Podentes e conhecida como “a Santa da Golegã”, também ele provocou a indignação geral, casando com outra mulher***. Os filhos não compareceram à boda e nunca aceitaram essa união (na imagem, o casal em passeio pelos Alpes).

com mariana segunda mulher nos alpes.PNG

 

…………………………….

 

 

 

 

 

 

À Margem….

 

Francisco Relvas.JPG

Carlos Relvas teve dois filhos homens. O primeiro, Francisco, foi encontrado morto aos 18 anos, no que oficialmente se atribuiu a um acidente de caça, mas que rapidamente a opinião pública justificou como suicídio por alegadamente ser obrigado a casar com quem não escolheu ou homicídio por vingança contra a família.

O outro descendente, José, também teve a sua dose de infortúnio: os seus três filhos morreram jovens, um deles por suicídio, não tendo deixado progenitura. Enfrentou muitos desentendimentos com o pai, profundamente monárquico. Cada um à sua maneira, marcaram de forma indelével a história do seu tempo. José Relvas também privilegiava a cultura, recheando com obras de arte a sua residência de Alpiarça, a Casa dos Patudos****, um projeto de Raúl Lino que é hoje um interessante museu municipal.

jose relvas e a familia.JPG

jose relvas proclamando a republica.JPG

 

Ficou mais conhecido, no entanto, pelo seu protagonismo no dia 5 de outubro de 1910. Foi ele que, a partir da varanda da Câmara Municipal de Lisboa, anunciou à multidão a implantação da República em Portugal. Foi escolhido pelo seu carisma, mas também porque o líder do Partido Republicano se encontrava afónico.

Mas isso é outra história…

 

………………….

*Carlos Augusto de Mascarenhas Relvas de Campos

**Margarida Augusta de Azevedo Relvas e Maria Clementina Mascarenhas Relvas e Campos

*** Mariana do Carmo Pinto Correia

****Porque na zona havia abundância de patos.

………….

Para conhecer a multifacetada obra de Carlos Relvas, aconselha-se visita à sua extraordinária casa-estúdio, na Golegã.

……………

Fontes

Uma família de fotógrafos. Carlos e Margarida Relvas; de Cátia Salvado Fonseca; Lisboa: Chiado Editora – 2005. Resumo disponível em: https://repositorio.uam.es/bitstream/handle/10486/11611/57453_20.pdf?sequence=1

Mulheres, casamento e a família em Portugal na 2º metade do século XIX-princípios do século XX: alguns aspetos, de Irene Vaquinhas; in História das Mulheres de Língua Portuguesa e Espanhola, organização de António Emílio Morga – 2017

Ritualizar a morte no século XIX: O funeral de D. Margarida Relvas (1837-1887) na Golegã, de Cláudia dos Santos Araújo Feio. Disponível em https://www.academia.edu/4476889/Ritualizar_a_morte_no_seculo_XIX_-_o_funeral_de_D._Margarida_Relvas

Resenha das famílias titulares e grandes de Portugal, de  Albano Anthero da Silveira Pinto, 1819-1885Augusto Romano Sanches de Baena e Farinha,1822-1909; F.A. da Silva; Lisboa -  1883

https://archive.org/details/resenhadasfamili02silvuoft/page/272/mode/2up

Gazeta da Relação de Lisboa – Revista Judicial

7º ano, nº 20 – 30 ago. 1893

Disponível em https://books.google.pt/books?id=C5UvAQAAMAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-PT&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

Hemeroteca Digital de Lisboa

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/

Ilustração Portugueza

II série; n~642 – 10 jun 1918

 

https://www.conventodasertahotel.pt/index.php/pt/home/historia/pequenas-historia/20-historias/132-jose-relvas-e-a-ligacao-ao-convento-da-serta-hotel

https://sites.google.com/site/pequenashistorietas/personalidades/miguel-relvas

https://www.publico.pt/2017/08/19/culturaipsilon/noticia/fotografar-reis-pastores-mendigos-e-cavalos-da-mesma-maneira-1782712#&gid=1&pid=3

http://jornalalpiarcense.blogspot.com/2014/03/o-grande-amor-de-clementina-relvas-irma.html

https://www.cm-alpiarca.pt/areas-de-atividade/cultura/casa-dos-patudos-museu-de-alpiarca

https://media.rtp.pt/visitaguiada/notas/esqueletos-no-armario/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Relvas

https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Relvas

Fotobiografia de José Relvas 1858-1929; de José Raimundo Noras; edição Imagens & Letras. Disponível em

https://issuu.com/imagens/docs/joserelvas/30

https://www.cm-golega.pt/casa-relvas

www.geneall.net,pt

https://geneall.net/pt/nome/64284/carlos-augusto-de-mascarenhas-relvas-de-campos/

https://geneall.net/pt/nome/64283/margarida-amelia-mendes-de-azevedo-e-vasconcelos/

https://geneall.net/pt/nome/180591/margarida-augusta-de-azevedo-relvas/

https://geneall.net/pt/nome/2475189/maria-clementina-mascarenhas-relvas-e-campos/

https://geneall.net/pt/nome/2475191/francisco-mascarenhas-relvas-e-campos/

https://geneall.net/pt/nome/71000/jose-relvas/

www.geni.com

https://www.geni.com/people/Carlos-de-Mascarenhas-Relvas-de-Campos/6000000024008957302

https://www.geni.com/people/Clementina-de-Mascarenhas-de-Azevedo-Relvas/6000000024009498934

https://www.geni.com/people/Jose%CC%81-da-Cunha-Ec%CC%A7a-de-Azevedo/6000000024066017971

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    CV 04.04.2020

    Olá, muito obrigada pelo comentário. Respondendo às questões que coloca: trata-se da Igreja Matriz da Golegã. O povo vestiu-se de luto e foi, em romaria, prestar homenagem a Margarida Relvas. O enterro foi no cemitério municipal, na mesma vila. O secretário do Partido Republicano era Eusébio Leão.
    Eu fiquem com especial vontade de ver o estúdio do Carlos Relvas. Quando for possível viajar...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.