Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Os mistérios da ponte de Rio Mourinho

 

fototexto14_1.jpg

 

A ponte é atribuída a um engenheiro militar que executava as obras com a ajuda do sogro. Eram suspeitos de não respeitar a regra de concurso público e escolha de propostas mais vantajosas para o erário público.

 

 

A seca no Vale do Sado pôs a descoberto uma ponte há muito submersa pelas águas da albufeira do Pego do Altar, na zona de Rio Mourinho, Santa Susana, em local que era passagem “obrigatória” nos roteiros das viagens entre Lisboa e Beja durante o século XIX. Popularmente conhecida como “romana” ou até “românica”, a ponte será, quanto muito, romântica para quem ali queira namorar, aproveitando a secura que se espera seja saciada pelas chuvas do próximo Inverno. O projeto, oitocentista, é atribuído a António Elizeu Paula de Bulhões, mas o autor pode não ser este engenheiro militar com ligações familiares ao Torrão.

António Elizeu Paula de Bulhões, filho de um religioso, médico do Santo Ofício, andou, de facto, pelos concelhos de Alcácer do Sal e do Torrão, mas está por provar que seja o autor da ponte barroca de Rio Mourinho. É que o projeto conhecido (ver imagem) nada tem a ver com o que foi construído: dos materiais, aos vãos (arcos) - que no esboço são apenas dois e na verdade são oito, mais sete grandes orifícios e gárgulas para escoar a água da chuva, que não constam do “desenho”, datado de 1817. A solução final, mais económica e fácil de executar, é, por isso, uma adaptação do próprio à realidade do local, ou pertence a outrem.

Foto texto 14_2.jpg

Certo, certo é que, em 1821, este engenheiro andava com o seu sogro, João Jácomo da Lança Cançado, a reparar as pontes de Palma e sobre o rio Xarrama, ambas no atual concelho de Alcácer do Sal, bem como a estrada “que vai de Beja a Porto Rei”. Acontece que as obras eram executadas sem obedecer à regra de “arrematação” - algo comparável aos concursos públicos dos dias de hoje. Assim sendo, podia ler-se em Diário da Regência, eram escolhidos “os preços de forma arbitrária” e “nem sempre os mais cómodos”, para a “Fazenda Nacional”, algo que devia ser “imediatamente cessado e punido”.

Apesar da crítica, António Elizeu continuou ao serviço da Coroa - militar do Real Corpo de Engenheiros e também Inspetor dos Incêndios - sendo curioso saber que o seu sogro e colaborador nas obras era, à época, primeiro vereador da então câmara do Torrão – sem dúvida, uma promiscuidade já então censurável.  

Sabemos ainda que esta associação perdurou, porque, já em 1829, a Gazeta de Lisboa conta que os dois homens, referidos como “deputados pela câmara do Torrão”, vão juntos manifestar a sua devoção e fidelidade a D. Miguel.

António Elizeu teve, aliás, oportunidade de provar a lealdade jurada, pois tomou parte pelo lado dos absolutistas na guerra civil que tão má memória deixou ao país.

Tal como havia acontecido durante as invasões francesas, em que lutou, foi preso e recusou todas as pressões para se passar para as hostes do inimigo, manteve-se firme entre os defensores de D. Miguel.

Com a derrota dos princípios que defendia, afastou-se da vida pública e viria a morrer em Lisboa, a 28 de fevereiro de 1844. Teve pelo menos um filho com dona D. Maria Benedicta Lobo do Macedo Vieira: Miguel Eduardo Lobo Bulhões, jornalista de renome.

 

À margem

António Elizeu Paula de BulhõDomJoãoVIemPortugal_Por Desconhecido - [1], Domíes foi incumbido por D. João VI de conceber uma planta para a construção de uma ponte sobre a ribeira de S. Marcos [da Serra], no concelho de Silves, na estrada de comunicação entre a província do Alentejo e reino do Algarve pela serra do Caldeirão, bem como averiguar as condições da estrada entre este local e a já então projetada passagem na freguesia de Santa Clara e ainda outra ponte na freguesia de S. Martinho, prevenindo as cheias do rio Odemira. Em todos os casos foi advertido que deveria “por em praça para arrematar” a execução dos trabalhos e velar para que se escolhesse o local, os meios e o projeto que menos despesa representasse ao erário público. Corria o mês de junho de 1821,

Mas isso é outra história…

 

 

 

Fontes

Gabinete de Estudos Arqueológicos de Engenharia Militar Agradecimentos a Maria José de Almeida

Gazeta de Lisboa - https://books.google.pt/books?id=ag8wAAAAYAAJ&pg=PA175&lpg=PA175&dq=%22Ant%C3%B3nio+Elizeu+Paula+de+Bulh%C3%B5es%22&source=bl&ots=fVxXdLc5tB&sig=s4TYCxb6PH9y9PGA7bGuZEsJuA8&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjtxLztvIzYAhVD6xQKHTK3BvoQ6AEIMTAD#v=onepage&q=%22Ant%C3%B3nio%20Elizeu%20Paula%20de%20Bulh%C3%B5es%22&f=false

https://books.google.pt/books?id=7hAwAAAAYAAJ&pg=PA748&lpg=PA748&dq=Jo%C3%A3o+J%C3%A1como+da+Lan%C3%A7a+Can%C3%A7ado&source=bl&ots=CBRMXmfbhU&sig=BDi9PqPVqpktHGGS5noLW2GiZ38&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwifypWgvY_YAhWSaVAKHXBCDw4Q6AEIJzAA#v=onepage&q=Jo%C3%A3o%20J%C3%A1como%20da%20Lan%C3%A7a%20Can%C3%A7ado&f=false

Diário do Governo

https://books.google.pt/books?id=nu0vAAAAYAAJ&pg=RA62-PT2&lpg=RA62-PT2&dq=%22Ant%C3%B3nio+Elizeu+Paula+de+Bulh%C3%B5es%22&source=bl&ots=IQ9KzfEKqT&sig=Mpqn8FLTsPqVD30JKxgaWjiMPrg&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwid_KamvYzYAhVFbRQKHQvPAxwQ6AEIMzAE#v=onepage&q=%22Ant%C3%B3nio%20Elizeu%20Paula%20de%20Bulh%C3%B5es%22&f=false

Biblioteca do Exército

http://biblioteca.exercito.pt/plinkres.asp?Base=DIE_SID&Form=ISBD&SearchTxt=%22CL+469%2E411%2E6%28084%2E3%29%22+%2B+%22CL+469%2E411%2E6%28084%2E3%29%24%22&StartRec=115&RecPag=5

http://www.fd.unl.pt/ConteudosAreasDetalhe_DT.asp?I=1&ID=2119

http://imperiobrazil.blogspot.pt/2010/05/dom-joao-vi.html

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.