Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

O sal da história

Crónicas da história. Aventuras, curiosidades, insólitos, ligações improváveis... Heróis, vilões, vítimas e cidadãos comuns, aqui transformados em protagonistas de outros tempos.

Um prédio de conspiradores

0001_M explosao dinamite 1912 2.jpg

 

 

Intrigas, complots, tramas, explosões, lutas e mortes. O arranque da 1ª República foi fértil em ocorrências e casos que pareciam estar todos ligados entre si… como a colossal explosão que destruiu um edifício na Costa do Castelo, em Lisboa.

 

 

7 de julho de 1912. Perto da hora do almoço, um enorme estrondo sacode a cidade, já de si assustadiça com o desenrolar dos acontecimentos nestes primeiros tempos da República. No mesmo dia em que, no Norte de Portugal, Paiva Couceiro empreende uma incursão para tentar recuperar o País para as forças realistas, na lisboeta Costa do Castelo, toda a cobertura e os andares superiores do 42 A converteram-se em escombros e estilhaços difíceis de identificar, como se tivessem sido “metralhados demoradamente”, relatava o jornal A Capital. Um cadáver mutilado jazia entre os destroços projetados para as ruas próximas. Rapidamente se percebe que, num tempo em que se descobrem conspirações monárquicas quase diariamente, um tão grande aparato tinha muito a esconder.

0001_M explosao dinamite 1912.jpg

 

Para começar, António da Silva Cunha - o morto - guardava em casa um autêntico arsenal de armas, mas também de pólvora e dinamite – que terá originado a explosão –, material de laboratório e produtos químicos, com os quais improvisaria bombas. Acrescente-se que o seu nome era bem conhecido das autoridades - não por ser farmacêutico e trabalhar para o cônsul de Cuba, o que servia de disfarce às suas outras atividades - mas porque tinha sido preso no ano anterior, acusado de fazer parte do chamado “complot do Algarve”.

Era, nas palavras da imprensa, um “ferrenho monárquico e conhecido conspirador” que, curiosamente, dois meses antes, tinha sido ilibado de todas as acusações, tal como o foram os seus “companheiros” de conjura, o tenente Cabedo, Alberto Soares e Thomaz Maria da Câmara, filho do escritor D. João da Câmara.

Acontece que, no sitio onde vivia, não estaria sozinho nas suas preferências políticas. No dia do rebentamento que ele próprio causou e o vitimou, foram presos mais três habitantes do edifício.

Se a detenção do velho Thadeu – pai do conhecido bandarilheiro com o mesmo nome – poderia ser considerada estapafúrdia, já a de Palmira Cunha, mulher do bombista, fazia todo o sentido. Mas, e o que dizer da prisão do vizinho do rés-do-chão?

Relata a imprensa que, no piso térreo, vivia José Abranches da Silva, 2º tenente da marinha que havia muito tempo se encontrava de cama, impossibilitado de se mexer devido a um problema de reumatismo. Conta a mesma fonte que, no dia do estoiro, se levantou, alegadamente sem saber como, fardou-se; com um empurrão e força de ombros arrombou a porta do quarto e percorreu os corredores e escadas em busca de esclarecimento sobre o que tinha ocorrido.

Capturarexplosao1.JPG

 

Milagre!!! Clamaram os crentes….Alto lá! Gritou a guarda, que o prendeu. Como militar que era, foi detido a bordo da canhoeira Zambeze, em pleno Tejo: outro perigoso e ferrenho monárquico, apressaram-se a dizer os jornais.

Não era para menos, porque, justa ou injustamente, o nome deste 2º tenente maquinista surgiria repetidamente associado à contra-revolução monárquica pelo menos até 1918 e estaria preso várias vezes nesse período, apesar de, em cartas que chegaram aos nossos dias, reclamar o apoio aos republicanos ao denunciar diversas movimentações dos seus outrora companheiros, assim traídos.

Os dias seguintes seriam férteis em desenvolvimentos, alguns trágicos para a causa realista.

Desde logo, a vitória das forças republicanas, que empurraram Paiva Couceiro novamente para Espanha com muitas e importantes baixas pelo caminho. Na mesma altura, são descobertos mais dois complots, em Évora e Belas. Segundo a imprensa, os “paivantes”* detidos em Belas tinham como objetivo tomar Lisboa de assalto, atacando os fortes de Sacavém, Monsanto e Caxias.

Capturarexplosao 4.JPG

 

Trágica foi, logo a 9 de julho, a morte do também 2º tenente Alberto Soares, antigo companheiro de prisão do perito em bombas António da Silva Cunha, e “elemento reacionário perigoso”, nas palavras dos jornais. Por pouco não foi linchado por populares em pleno Rossio. Refugiou-se num hotel próximo, mas acabaria por morrer com um tiro disparado de entre a multidão, que ululava de excitação à vista do sangue derramado.

Nos dias de hoje, a sua morte é entendida como um assassinato por razões políticas. O primeiro dos muitos que povoaram a conturbada 1ª República em Portugal.

 

À margem

Capturarexplosao5.JPG

 

Henrique Paiva Couceiro é visto como o último defensor da monarquia, no sentido em que conseguiu organizar tropas e tentou, por diversas vezes, repor o anterior modelo político no País, quer pelas armas, quer fazendo uso de negociações. Inabalável nos seus princípios, Paiva Couceiro tinha antes uma longa história pessoal de serviço prestado ao País, como militar e político, estando muito próximo da imagem de herói nacional.

Após o 5 de outubro de 1910, passou a ser apelidado de traidor e fez várias incursões militares com o intuito de derrubar os republicanos, chegando a decretar a “monarquia do Norte”, que durou apenas 25 dias, já em 1919. Consta que, nesses tempos, nas festas populares, era comum ouvir-se a ladainha:

“Portuguezes vesti lucto,
Um lucto bem denegrido;
Se Paiva Couceiro não vem,
Portugal está perdido”

 

E logo outra voz respondia:

“Paiva Couceiro,
Mais uma vez;
Mostra o que vale,
O sangue português**

 Mas isso é outra história...

…..

*Paivante aqui entendido como partidário de Paiva Couceiro.

 

Fontes

Hemeroteca Digital de Lisboa

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/

Jornal A Capital

Nº697, 3º ano – 7 jul. 1912

Nº698, 3º ano – 8 jul. 1912

Nº699, 3º ano – 9 jul. 1912

Nº700, 3º ano – 10 jul. 1912

Nº701, 3º ano – 11 jul. 1912

Nº702, 3º ano – 12 jul. 1912

Nº703, 3º ano – 13 jul. 1912

Nº704, 3º ano – 14 jul. 1912

Nº705, 3º ano – 15 jul. 1912

Nº706, 3º ano – 16 jul. 1912

Nº707, 3º ano – 17 jul. 1912

 

Illustração Portuguesa

Nº334 – 15 jul. 1912

 

O Occidente

35º ano, XXXV volume, nº 1207 – 10 jul. 1912

35º ano, XXXV volume, nº 1208 – 20 jul. 1912

 

Armando Ribeiro, A revolução portuguesa

https://archive.org/stream/revoluoportu04ribe/revoluoportu04ribe_djvu.txt

 

Miguel Dias Santos, A contra-revolução na I República 1910-1919, Imprensa da Universidade de Coimbra

https://books.google.pt/books?id=n3M6EdVIZXsC&pg=PT43&lpg=PT43&dq=%22alberto+soares%22+rep%C3%BAblica+monarquic&source=bl&ots=uj_GFDbLOF&sig=GwmEUUa5pIvYypdIwY_fn3L98wY&hl=pt-PT&sa=X&ved=0ahUKEwjMoer0gLLbAhVFwBQKHTppA8UQ6AEISDAH#v=onepage&q=%22alberto%20soares%22%20rep%C3%BAblica%20monarquic&f=false

 

 

http://casacomum.org/cc/arquivos?set=e_10988/o_Pasta/t_Correspondencia

 

Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

Joshua Benoliel

PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/JBN/001690

 

PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/JBN/001691

 

 

*In - Couceiro o Capitão Phantasma, Joaquim Leitão, Edição do Autor, Porto 1914, p. 106, citado em https://pt.wikipedia.org/wiki/Henrique_Mitchell_de_Paiva_Couceiro

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.